Salário para o cargo de Técnico de grãos e cereais
CBO 3252-05 > Técnicos em produção, conservação e de qualidade de alimentos

Técnico de grãos e cereais - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Os técnicos em produção, conservação e de qualidade de alimentos controlam a qualidade dos alimentos nas etapas de produção, supervisionando processos produtivos e de distribuição, verificando condições de ambiente, equipamento e produtos (in natura e preparados). Podem participar de pesquisa para melhoria, adequação e desenvolvimento de produtos e promover a venda de insumos, produtos e equipamentos. Os técnicos em alimentos atuam prioritariamente na indústria alimentícia. Os técnicos em nutrição e dietática trabalham sob supervisão de nutricionista, atuando, prioritariamente, em unidades de alimentação e nutrição (coletividade sadia) e unidades de nutrição e dietética (coletividade preferencialmente enfermas) e saúde coletiva.

Quanto ganha um Técnico de grãos e cereais

Um Técnico de grãos e cereais trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.125,05 e R$ 5.024,50, com a média salarial de R$ 2.029,91 e o salário mediana em R$ 1.529,31 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Técnico de grãos e cereais

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 2.029,91 24.358,90 507,48 9,42
1º Quartil 1.125,05 13.500,57 281,26 5,22
Salário Mediana 1.529,31 18.351,72 382,33 7,10
3º Quartil 3.831,90 45.982,80 957,98 17,78
Teto Salarial 5.024,50 60.294,03 1.256,13 23,32


Categorias profissionais do cargo

  • Técnicos de nível médio
    • Técnicos de nível médio das ciências biológicas, bioquímicas, da saúde
      • Técnicos de bioquímica e da biotecnologia
        • Técnicos em produção, conservação e de qualidade de alimentos

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo - SP 1.195 - 4.855 2.153,52 1.195,08 1.611,97 4.008,24 4.854,90
Brasília - DF 1.045 - 2.051 1.210,02 1.045,00 1.045,00 1.693,42 2.051,12
Diadema - SP 1.346 - 1.690 1.373,62 1.346,01 1.395,00 1.395,00 1.689,67
São Bernardo do Campo - SP 1.330 - 2.193 1.472,72 1.329,62 1.395,00 1.810,55 2.193,00
Rio de Janeiro - RJ 1.188 - 2.586 1.532,21 1.188,45 1.380,00 2.134,86 2.585,81
Sinop - MT 1.115 - 1.660 1.195,96 1.114,53 1.156,00 1.370,88 1.660,45
Ananindeua - PA 1.047 - 1.626 1.144,90 1.047,26 1.100,00 1.342,43 1.626,00
Cascavel - PR 1.363 - 2.211 1.494,59 1.363,05 1.384,71 1.825,57 2.211,19
Salvador - BA 1.045 - 2.330 1.331,77 1.045,00 1.177,50 1.923,65 2.329,99
Fortaleza - CE 1.102 - 2.189 1.365,87 1.102,05 1.211,10 1.806,88 2.188,54
Porto Alegre - RS 1.638 - 4.855 2.871,25 1.637,67 2.800,00 4.008,61 4.855,35
Paranavaí - PR 1.435 - 2.649 1.663,41 1.435,46 1.463,00 2.186,70 2.648,60
Uberlândia - MG 1.330 - 2.739 1.620,89 1.329,80 1.384,00 2.261,42 2.739,10
Belo Horizonte - MG 1.665 - 3.066 2.180,99 1.665,04 2.278,88 2.531,21 3.065,88
Sorriso - MT 1.110 - 1.538 1.168,35 1.110,38 1.156,00 1.270,15 1.538,45
São Jose - SC 1.510 - 3.020 1.832,27 1.509,63 1.573,00 2.493,29 3.019,95
Aparecida de Goiânia - GO 1.766 - 3.557 2.149,70 1.766,27 1.803,64 2.936,50 3.556,78
Goiânia - GO 1.337 - 3.400 1.778,72 1.336,90 1.500,00 2.807,01 3.399,93
Curitiba - PR 1.293 - 2.583 1.651,89 1.292,85 1.500,00 2.132,88 2.583,41
Juiz de Fora - MG 1.367 - 2.344 1.529,73 1.366,86 1.384,00 1.935,56 2.344,41


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo 1.264 - 6.934 2.596,10 1.264,15 1.653,44 5.724,86 6.934,12
Paraná 1.352 - 3.912 1.973,46 1.351,51 1.595,94 3.229,55 3.911,73
Minas Gerais 1.213 - 3.531 1.851,97 1.213,41 1.600,00 2.915,40 3.531,22
Distrito Federal 1.045 - 2.051 1.210,02 1.045,00 1.045,00 1.693,42 2.051,12
Santa Catarina 1.494 - 3.552 2.036,27 1.494,41 1.828,57 2.932,56 3.552,01
Mato Grosso 1.106 - 2.364 1.339,76 1.106,05 1.156,00 1.951,37 2.363,55
Rio Grande do Sul 1.386 - 5.536 2.607,32 1.386,11 2.200,00 4.570,81 5.536,30
Pará 1.054 - 2.288 1.305,86 1.054,41 1.102,00 1.889,18 2.288,23
Goiás 1.152 - 4.325 2.031,87 1.151,75 1.750,00 3.570,77 4.325,02
Rio de Janeiro 1.234 - 3.281 1.811,92 1.233,72 1.521,96 2.709,01 3.281,23
Bahia 1.047 - 3.601 1.714,67 1.046,65 1.426,96 2.972,85 3.600,81
Ceará 1.115 - 2.873 1.578,98 1.114,51 1.422,83 2.371,86 2.872,87
Espírito Santo 1.159 - 2.961 1.636,66 1.158,94 1.458,39 2.444,31 2.960,62
Pernambuco 1.160 - 2.825 1.588,30 1.160,15 1.446,87 2.332,20 2.824,84
Mato Grosso do Sul 1.221 - 2.641 1.586,89 1.220,62 1.496,00 2.180,82 2.641,48
Maranhão 1.082 - 2.754 1.389,63 1.082,32 1.097,25 2.274,05 2.754,40
Amazonas 1.055 - 2.663 1.451,26 1.055,00 1.205,00 2.198,52 2.662,92
Rio Grande do Norte 1.215 - 7.280 2.599,10 1.215,00 1.483,71 6.010,46 7.280,05
Rondônia 1.115 - 2.248 1.463,68 1.114,83 1.462,99 1.856,19 2.248,27
Tocantins 1.081 - 2.398 1.460,37 1.080,56 1.392,50 1.979,89 2.398,10
Sergipe 1.045 - 1.991 1.208,92 1.045,00 1.073,59 1.643,51 1.990,66
Alagoas 1.173 - 2.028 1.547,84 1.172,50 1.674,55 1.674,55 2.028,27
Piauí 1.045 - 1.999 1.499,46 1.045,00 1.621,16 1.650,00 1.998,53


Principais locais de trabalho

Técnicos em produção, conservação e de qualidade de alimentos atuam em indústrias alimentícias diversas, em centros de pesquisa, laboratórios de avaliação da qualidade, vigilância sanitária e empresas de comercialização de alimentos. São empregados assalariados, com carteira assinada, organizados em equipe, sob supervisão ocasional. Trabalham em locais fechados, em rodízio de turnos. Em algumas das atividades exercidas, trabalham em posições desconfortáveis por longos períodos, expostos a altas temperaturas, odores intensos, ruídos e material tóxico.


O que é preciso para trabalhar na área dos Técnicos em produção, conservação e de qualidade de alimentos

Para o exercício profisisonal requer-se curso técnico em alimentos (nível médio), cursos afins ou especializados como, por exemplo, em laticínios, em leite e derivados, em açúcar e álcool, oferecidos por instituições de formação profissional e escolas técnicas, além do registro profissional no conselho regional competente. O exercício pleno das atividades é obtido durante o primeiro ano de experiência, após estágio.


Funções e atividades do Técnico de grãos e cereais

Técnicos em produção, conservação e de qualidade de alimentos devem:

  • controlar a qualidade nas etapas de produção;
  • verificar condições do ambiente, equipamentos e produtos (in natura e preparados);
  • participar de pesquisas para melhoria, adequação e desenvolvimento de produtos sob supervisão;
  • supervisionar processos de produção e distribuição;
  • demonstrar competências pessoais;
  • exercer atividades na Área de nutrição;
  • coordenar equipes;
  • promover venda de insumos, produtos e equipamentos;
  • planejar atividades e rotinas de trabalho;
  • comunicar-se;

  • Atividades

    • verificar a disponibilidade dos materiais, insumos e gêneros alimentícios;
    • controlar dimensões do produto;
    • cotar preços de equipamentos, materiais, insumos e gêneros alimentícios;
    • participar da elaboração do produto;
    • definir estratégias para melhoria, adequação e desenvolvimento de produtos;
    • controlar a velocidade de processamento dos equipamentos;
    • avaliar aceitabilidade do produto;
    • demonstrar criatividade;
    • participar da seleção de pessoal;
    • monitorar os processos de trituração, pasteurização, mistura, cocção, fermentação e outros;
    • demonstrar capacidade de acuidade visual;
    • realizar inquérito alimentar;
    • providenciar a disponibilidade dos materiais e insumos;
    • realizar análises físico-químicas das matérias primas e produtos;
    • acompanhar pré-preparo e preparo de alimentos;
    • selecionar os procedimentos para cada atividade;
    • verificar a concentração do produto;
    • calcular os materiais e insumos;
    • controlar o peso do produto;
    • realizar as análises sensoriais das matérias primas e dos produtos;
    • adequar cardápios;
    • verificar pressão dos equipamentos;
    • especificar materiais e insumos;
    • contornar situações adversas;
    • realizar visitas técnicas aos clientes para apresentar novos produtos;
    • dimensionar escala de serviço;
    • transmitir à equipe a adequação do produto às necessidades dos clientes;
    • demonstrar capacidade de negociação;
    • corrigir desvios do processo;
    • demonstrar proatividade;
    • interagir com os clientes;
    • adequar produto às necessidades do cliente;
    • controlar data de vencimento dos produtos (em armazenamento e pontos de venda);
    • coletar amostras dos produtos;
    • avaliar fornecedores;
    • enviar ao cliente amostras para aprovação;
    • controlar o tempo de produção;
    • realizar atividades de educação nutricional;
    • elaborar escala de trabalho;
    • avaliar os resultados de desempenho da equipe;
    • identificar necessidades de treinamento;
    • exercer liderança;
    • assegurar condições higiênico-sanitárias;
    • participar da elaboração de cardápios;
    • contatar empresa para substituição de pessoal;
    • corrigir os pontos críticos de controle;
    • acompanhar otimização da produção por meio de tempo-temperatura;
    • identificar público-alvo;
    • comunicar o cronograma à equipe;
    • esclarecer dúvidas de consumidores/clientes;
    • receber insumos, produtos, gêneros alimentícios;
    • participar da seleção de fornecedores;
    • realizar serviços administrativos;
    • redigir relatórios de planilhas de controle;
    • porcionar fórmulas lácteas e leite humano;
    • discriminar com sensibilidade os sabores;
    • acompanhar tempo de entrega da produção;
    • controlar avarias;
    • demonstrar dinamismo;
    • testar formulação do produto;
    • interpretar necessidades dos clientes;
    • realizar análises microbiológicas das matérias primas e produtos;
    • acompanhar o cliente;
    • levantar clientes potenciais;
    • conferir dietas na linha de montagem;
    • prestar assistência técnica aos clientes;
    • distinguir com sensibilidade os odores;
    • verificar umidade do ar;
    • planejar área física;
    • trabalhar em equipe;
    • participar da elaboração de normas;
    • preencher checklist (verificação de rotinas);
    • demonstrar visão global do processo de produção;
    • transmitir segurança;
    • acompanhar o controle integrado de pragas e vetores;
    • verificar as condições da embalagem do produto final;
    • participar da elaboração da rotulagem (informação nutricional) do produto;
    • atualizar-se;
    • acompanhar as necessidades do mercado;
    • verificar temperatura (ambiente, equipamentos e produtos in natura e preparados);
    • orientar clientes internos e externos sobre aspectos nutricionais;
    • acompanhar distribuição do cardápio produzido;
    • interpretar a ordem de serviço;
    • emitir laudos com parecer técnico sob supervisão;
    • realizar análise comparativa com produtos concorrentes;
    • identificar pontos críticos de controle;
    • atender às reclamações do consumidor;
    • elaborar relatórios de visitas técnicas;
    • participar do cálculo do valor calórico do cardápio (ínvidos sadios);
    • aplicar normas técnicas e legislação vigente;
    • participar na divulgação dos aspectos nutricionais do produto;
    • controlar o ph do produto;
    • negociar com clientes internos e externos;
    • vistoriar instalações;
    • estabelecer cronograma de atividades;
    • verificar disponibilidade de pessoal;
    • calcular índice de cocção e fator de correção;
    • comprar equipamentos, materiais, insumos e gêneros alimentícios;
    • demonstrar sociabilidade;
    • remanejar pessoal;
    • informar clientes quanto a armazenagem e uso de produtos;
    • realizar treinamento de rotinas operacionais;
    • acompanhar distribuição de produtos até os pontos de venda;
    • orientar o preparo de receitas;
    • acompanhar testes de desempenho de matérias primas e insumos;
    • assegurar condições de apoio ( manutenção e serviços gerais);
    • verificar condições de segurança ambiental e de equipamentos de proteção individual;
    • participar da elaboração de material educativo;
    • elaborar relatórios de atividades;
    • assessorar a implementação das mudanças aprovadas;
    • prover as quantidades de gêneros alimentícios e equipamentos para confecção de cardápios;
    • coletar dados antropométricos;
    • verificar condições de armazenamento;
    • controlar desperdícios;
    • supervisionar estagiários/menores-aprendizes;
    • participar de reuniões técnico-administrativas;
    • elaborar relatórios de análises;
    • elaborar ficha técnica de produto;
    • elaborar manual de instruções;
    • elaborar receituário padrão, sob supervisão;
    • elaborar procedimentos operacionais na produção e no controle de qualidade;
    • assegurar condições operacionais do processo produtivo;


    Setores que mais contratam Técnico de grãos e cereais no mercado de trabalho

    • Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios - supermercados
    • Fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para empresas
    • Comércio atacadista de produtos alimentícios em geral
    • Fabricação de massas alimentícias
    • Fabricação de produtos de carne
    • Fabricação de produtos de panificação industrial
    • Serviços combinados de escritório e apoio administrativo
    • Fabricação de laticínios
    • Locação de mão-de-obra temporária
    • Restaurantes e similares




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: