Salário para o cargo de Chefe de departamento de motoristas
CBO 3423-05 > Técnicos em transportes rodoviários

Chefe de departamento de motoristas - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Administram e controlam a frota de veículos no transporte rodoviário de cargas e passageiros. Supervisionam atividades de motoristas e auxiliares, checam e inspecionam documentação de motoristas e de veículos. Supervisionam embarque e desembarque de cargas e passageiros, inspecionam condições do veículo e da carga, preenchem e emitem documentos fiscais e de controle. Programam e controlam horários e gastos de viagens. Providenciam atendimento e assistência às vítimas e seus parentes, em caso de acidente, e acionam serviços de apoio e órgãos oficiais.

Quanto ganha um Chefe de departamento de motoristas

Um Chefe de departamento de motoristas trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.378,73 e R$ 5.770,87, com a média salarial de R$ 2.547,48 e o salário mediana em R$ 2.183,39 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Chefe de departamento de motoristas

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 2.547,48 30.569,78 636,87 11,76
1º Quartil 1.378,73 16.544,74 344,68 6,36
Salário Mediana 2.183,39 26.200,62 545,85 10,08
3º Quartil 4.401,11 52.813,37 1.100,28 20,31
Teto Salarial 5.770,87 69.250,47 1.442,72 26,63


Categorias profissionais do cargo

  • Técnicos de nível médio
    • Técnicos de nível médio em serviços de transportes
      • Técnicos em transportes (logística)
        • Técnicos em transportes rodoviários

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo - SP 1.444 - 5.500 2.606,15 1.443,61 2.128,08 4.540,93 5.500,11
Rio de Janeiro - RJ 1.469 - 5.325 2.646,63 1.468,62 2.444,83 4.396,53 5.325,21
Guarulhos - SP 1.444 - 6.070 2.697,74 1.443,52 2.286,30 5.011,09 6.069,58
Belo Horizonte - MG 1.233 - 4.313 2.214,08 1.233,36 1.854,51 3.561,15 4.313,37
Rondonópolis - MT 1.500 - 2.447 1.627,25 1.500,00 1.500,00 2.020,06 2.446,76
Contagem - MG 1.162 - 4.630 2.347,27 1.161,70 2.186,28 3.822,31 4.629,69
Fortaleza - CE 1.217 - 3.333 1.761,07 1.217,43 1.508,65 2.751,39 3.332,57
Curitiba - PR 1.413 - 4.512 2.418,03 1.412,84 2.313,52 3.725,34 4.512,24
Brasília - DF 1.371 - 6.874 2.837,03 1.370,61 2.018,13 5.675,31 6.874,11
Paulínia - SP 1.290 - 4.607 2.273,22 1.289,92 2.086,60 3.803,98 4.607,50
Goiânia - GO 1.246 - 4.072 2.014,98 1.245,78 1.387,78 3.362,07 4.072,23
Jundiaí - SP 1.469 - 4.323 2.504,59 1.469,47 2.500,00 3.569,22 4.323,15
Campinas - SP 1.449 - 5.061 2.415,15 1.449,25 1.969,66 4.178,62 5.061,27
Itapeva - SP 1.310 - 1.750 1.343,00 1.310,00 1.310,00 1.444,52 1.749,65
Santos - SP 1.439 - 4.700 2.512,91 1.438,71 2.424,00 3.879,98 4.699,55
Uberlândia - MG 1.362 - 4.923 2.353,16 1.361,62 2.013,53 4.064,73 4.923,33
São Bernardo do Campo - SP 1.549 - 8.077 3.458,52 1.548,71 2.630,84 6.668,07 8.076,57
Aparecida de Goiânia - GO 1.273 - 3.847 2.082,48 1.273,07 1.919,69 3.175,71 3.846,51
Feira de Santana - BA 1.350 - 4.848 2.272,43 1.350,26 1.778,31 4.002,71 4.848,20
Três Lagoas - MS 1.509 - 5.365 2.709,80 1.509,34 2.327,07 4.429,12 5.364,69


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo 1.436 - 5.667 2.682,97 1.436,44 2.300,00 4.678,75 5.667,04
Minas Gerais 1.293 - 4.768 2.403,16 1.292,64 2.192,18 3.936,17 4.767,60
Rio de Janeiro 1.402 - 5.073 2.496,81 1.401,76 2.168,38 4.188,70 5.073,48
Paraná 1.528 - 4.751 2.513,91 1.528,28 2.300,00 3.922,05 4.750,51
Santa Catarina 1.477 - 5.408 2.677,31 1.476,61 2.291,16 4.464,65 5.407,71
Bahia 1.361 - 6.123 2.664,01 1.361,07 1.966,44 5.055,52 6.123,40
Pernambuco 1.510 - 7.391 3.054,20 1.509,70 2.187,35 6.101,82 7.390,70
Goiás 1.318 - 4.284 2.227,91 1.317,82 2.082,98 3.536,90 4.284,00
Rio Grande do Sul 1.468 - 5.856 2.705,95 1.468,05 2.235,83 4.834,75 5.856,00
Mato Grosso 1.390 - 3.563 1.896,49 1.389,70 1.500,00 2.941,29 3.562,58
Espírito Santo 1.123 - 5.187 2.334,90 1.123,24 2.000,00 4.282,53 5.187,13
Mato Grosso do Sul 1.259 - 4.856 2.409,39 1.258,59 2.127,19 4.008,98 4.855,80
Ceará 1.221 - 3.542 1.854,67 1.221,35 1.543,75 2.924,19 3.541,87
Pará 1.516 - 4.774 2.642,63 1.515,57 2.591,73 3.941,53 4.774,10
Distrito Federal 1.371 - 6.874 2.837,03 1.370,61 2.018,13 5.675,31 6.874,11
Maranhão 1.208 - 5.353 2.416,25 1.208,18 2.094,27 4.419,55 5.353,09
Amazonas 1.357 - 3.517 2.049,77 1.357,20 1.923,79 2.903,60 3.516,93
Rio Grande do Norte 1.415 - 2.782 1.947,86 1.414,78 2.043,03 2.296,59 2.781,70
Rondônia 1.256 - 4.419 2.297,60 1.256,41 2.075,00 3.648,64 4.419,34
Tocantins 1.629 - 3.420 2.031,02 1.629,21 1.834,28 2.823,46 3.419,85
Alagoas 1.275 - 5.700 2.621,47 1.275,08 2.217,63 4.706,11 5.700,18
Paraíba 1.136 - 6.757 2.512,30 1.135,58 1.750,69 5.578,26 6.756,55
Piauí 1.164 - 3.649 2.029,84 1.163,67 2.059,92 3.012,30 3.648,59
Sergipe 1.189 - 4.968 2.326,90 1.189,16 2.123,49 4.101,75 4.968,17


Principais locais de trabalho

Técnicos em transportes rodoviários atuam em empresas de transporte terrestre, na gestão, planejamento e fiscalização (técnicos do setor público) e na operação e execução de serviços (técnicos do setor privado). São assalariados, com carteira assinada, que se organizam em equipe, sob supervisão permanente. Trabalham em ambientes fechados ou em veículos por rodízio de turnos. Ocasionalmente trabalham sob pressão.


O que é preciso para trabalhar na área dos Técnicos em transportes rodoviários

O exercício do cargo de Técnicos em transportes rodoviários requer ensino técnico profissionalizante de ensino médio ou experiência equivalente construída em uma trajetória ocupacional nas empresas em que atuam. O exercício pleno das atividades ocorre após um período de três a quatro anos de experiência.


Funções e atividades do Chefe de departamento de motoristas

Técnicos em transportes rodoviários devem:

  • controlar gastos de viagem;
  • supervisionar embarque de carga e passageiros;
  • atender acidentes na estrada;
  • administrar frota;
  • demonstrar competências pessoais;
  • comunicar-se;
  • supervisionar motoristas e auxiliares de viagem;
  • programar horários de viagem;

  • Atividades

    • controlar planilhas de custos de viagem;
    • demonstrar clareza;
    • contratar serviços de terceiros;
    • verificar intervalos entre jornadas de trabalho de motoristas e auxiliares;
    • acompanhar carga horária dos motoristas e auxiliares;
    • argumentar;
    • medir teor alcoólico de motoristas (teste do bafômetro);
    • supervisionar separação de carga e bagagem;
    • monitorar horários de entrada e saída de veículos;
    • providenciar veículo e motorista para seguir viagem;
    • checar disponibilidade de veículos e motoristas;
    • conferir documentação dos motoristas;
    • demonstrar confiabilidade;
    • entrevistar motoristas antes da viagem;
    • recolher pertences pessoais dos passageiros;
    • redimensionar utilização da frota;
    • ouvir sugestões;
    • providenciar remoção do veículo do local;
    • acionar perícia técnica;
    • monitorar veículo ao longo do percurso;
    • dar provas de organização;
    • consultar sistemas de informações de ocorrências;
    • demonstrar objetividade;
    • substituir motoristas e auxiliares;
    • inspecionar conduta do motorista em relação ao embarque de passageiros;
    • fotografar local do acidente;
    • conferir notas fiscais e de prestação de contas;
    • remanejar veículos;
    • demonstrar capacidade de observação;
    • vistoriar condições de higiene do veículo;
    • preencher boletim de ocorrência;
    • conferir análise de tacógrafo;
    • emitir documento fiscal da carga;
    • trabalhar em equipe;
    • escalar veículos;
    • deslocar-se ao local do acidente;
    • escalar motoristas e auxiliares;
    • acionar setor de serviço social da empresa;
    • informar ocorrência do acidente ao departamento jurídico;
    • demonstrar dinamismo;
    • relatar à empresa número e destino das vítimas;
    • prestar informações;
    • atualizar histórico dos motoristas e auxiliares de viagem;
    • demonstrar capacidade de discernimento;
    • atender clientes;
    • checar tipo e quantidade de carga e bagagem;
    • advertir motoristas e auxiliares (por escrito e verbalmente);
    • registrar reclamações e sugestões dos clientes;
    • orientar motoristas e auxiliares;
    • negociar;
    • controlar consumo de combustível;
    • compatibilizar demanda de serviços com frota;
    • acertar contas de viagem com motoristas;
    • rastrear veículo ao longo do percurso;
    • redigir;
    • analisar demanda do mercado;
    • supervisionar treinamento dos motoristas;
    • liderar;
    • assistir passageiros não vitimados;
    • administrar imprevistos;
    • inspecionar baldeação de bagagem;
    • checar retirada da carga;
    • disponibilizar veículo para manutenção;
    • remanejar motoristas e auxiliares;
    • delegar reponsabilidades;
    • acionar seguradora;
    • analisar solicitações de motoristas e auxiliares;
    • acionar polícia;
    • relatar ocorrência à seguradora, embarcador e ao cliente;
    • liberar recursos financeiros para viagem;
    • emitir programa de embarque por veículo;
    • verificar percurso da viagem;
    • providenciar socorro de vítimas;
    • prestar contas ao setor financeiro da empresa;
    • fechar boletim de caixa;
    • providenciar relação de passageiros;
    • planejar utilização da frota;
    • enviar mecânico para local do acidente;


    Setores que mais contratam Chefe de departamento de motoristas no mercado de trabalho

    • Transporte rodoviário de carga, exceto produtos perigosos e mudanças, intermunicipal, interestadual e internacional
    • Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, interestadual
    • Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal
    • Transporte rodoviário de produtos perigosos
    • Transporte rodoviário coletivo de passageiros, sob regime de fretamento, intermunicipal, interestadual e internacional
    • Transporte rodoviário de carga, exceto produtos perigosos e mudanças, municipal
    • Locação de automóveis sem condutor
    • Fabricação de açúcar em bruto
    • Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, intermunicipal em região metropolitana
    • Locação de mão-de-obra temporária




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: