Salário para o cargo de Técnico engessador
CBO 3226-05 > Técnicos de imobilizações ortopédicas

Técnico engessador - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Confeccionam e retiram aparelhos gessados, talas gessadas (goteiras, calhas) e enfaixamentos com uso de material convencional e sintético (resina de fibra de vidro). Executam imobilizações com uso de esparadrapo e talas digitais (imobilizações para os dedos). Preparam e executam trações cutâneas, auxiliam o médico ortopedista na instalação de trações esqueléticas e nas manobras de redução manual. Podem preparar sala para pequenos procedimentos fora do centro cirúrgico, como pequenas suturas e anestesia local para manobras de redução manual, punções e infiltrações. Comunicam-se oralmente e por escrito, com os usuários e profissionais de saúde.

Quanto ganha um Técnico engessador

Um Técnico engessador trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.180,97 e R$ 3.498,04, com a média salarial de R$ 1.768,02 e o salário mediana em R$ 1.615,00 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Técnico engessador

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 1.768,02 21.216,30 442,01 9,22
1º Quartil 1.180,97 14.171,62 295,24 6,16
Salário Mediana 1.615,00 19.380,00 403,75 8,42
3º Quartil 2.667,76 32.013,07 666,94 13,91
Teto Salarial 3.498,04 41.976,50 874,51 18,24


Categorias profissionais do cargo

  • Técnicos de nível médio
    • Técnicos de nível médio das ciências biológicas, bioquímicas, da saúde
      • Técnicos da ciência da saúde humana
        • Técnicos de imobilizações ortopédicas

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo - SP 1.417 - 3.236 2.018,75 1.416,62 2.060,46 2.671,76 3.236,12
Rio de Janeiro - RJ 1.292 - 2.048 1.436,77 1.292,01 1.375,01 1.690,68 2.047,80
Santos - SP 1.601 - 2.653 1.920,19 1.600,83 1.919,19 2.190,56 2.653,28
Recife - PE 1.069 - 1.425 1.118,96 1.068,59 1.105,80 1.176,40 1.424,89
Fortaleza - CE 1.119 - 1.653 1.236,89 1.119,37 1.204,00 1.364,41 1.652,62
Santo André - SP 1.545 - 4.073 2.118,72 1.544,64 1.764,67 3.362,47 4.072,72
São Bernardo do Campo - SP 1.582 - 3.502 2.344,40 1.581,51 2.411,71 2.891,00 3.501,67
Brasília - DF 1.060 - 3.519 1.594,82 1.060,00 1.100,00 2.905,45 3.519,17
Porto Alegre - RS 1.335 - 2.974 1.732,75 1.335,12 1.520,51 2.454,96 2.973,52
Vitoria - ES 1.320 - 2.549 1.701,72 1.320,12 1.671,45 2.104,31 2.548,81
São Luís - MA 1.120 - 1.666 1.204,18 1.120,07 1.156,81 1.375,29 1.665,79
Barueri - SP 1.543 - 2.080 1.668,37 1.543,30 1.714,98 1.717,04 2.079,73
Campo Grande - MS 1.298 - 2.046 1.520,78 1.297,86 1.555,88 1.689,60 2.046,49
João Pessoa - PB 1.045 - 2.146 1.406,07 1.045,00 1.439,52 1.771,40 2.145,57
Guarulhos - SP 1.513 - 18.292 6.815,02 1.513,21 2.210,28 15.101,84 18.291,81
Niterói - RJ 1.353 - 2.018 1.486,76 1.352,66 1.436,88 1.665,93 2.017,82
Caruaru - PE 1.064 - 1.535 1.114,69 1.063,81 1.073,22 1.267,21 1.534,88
Viamão - RS 1.375 - 1.974 1.488,05 1.375,20 1.477,80 1.629,42 1.973,60
Foz do Iguaçu - PR 1.791 - 2.400 1.834,89 1.790,83 1.790,83 1.981,74 2.400,35
Lauro de Freitas - BA 1.712 - 2.084 1.713,84 1.712,26 1.712,26 1.720,93 2.084,44


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo 1.446 - 3.780 2.081,92 1.445,75 1.853,93 3.120,97 3.780,21
Rio de Janeiro 1.281 - 2.050 1.449,28 1.281,42 1.402,51 1.692,65 2.050,19
Rio Grande do Sul 1.356 - 2.730 1.696,64 1.355,80 1.578,60 2.253,98 2.730,08
Pernambuco 1.046 - 1.453 1.107,60 1.045,96 1.097,45 1.199,53 1.452,91
Espírito Santo 1.239 - 2.325 1.499,30 1.238,69 1.430,49 1.919,33 2.324,75
Ceará 1.103 - 1.637 1.207,21 1.103,01 1.191,86 1.351,47 1.636,94
Goiás 1.282 - 2.065 1.444,36 1.282,03 1.396,47 1.704,78 2.064,87
Distrito Federal 1.060 - 3.519 1.594,82 1.060,00 1.100,00 2.905,45 3.519,17
Maranhão 1.105 - 1.624 1.196,57 1.105,06 1.156,81 1.340,78 1.623,99
Paraná 1.211 - 2.379 1.664,20 1.211,00 1.790,83 1.964,40 2.379,34
Santa Catarina 1.603 - 3.454 2.056,74 1.602,95 1.902,24 2.851,27 3.453,54
Mato Grosso 1.215 - 2.238 1.412,70 1.214,79 1.296,56 1.847,96 2.238,30
Mato Grosso do Sul 1.298 - 2.046 1.520,78 1.297,86 1.555,88 1.689,60 2.046,49
Paraíba 1.045 - 2.146 1.406,07 1.045,00 1.439,52 1.771,40 2.145,57
Bahia 1.613 - 2.081 1.688,86 1.612,89 1.712,26 1.718,04 2.080,94
Alagoas 1.048 - 1.682 1.131,60 1.048,43 1.106,00 1.388,32 1.681,57


Principais locais de trabalho

Técnicos de imobilizações ortopédicas trabalham em hospitais, postos de saúde, clínicas e empresas ligadas à saúde e ou serviço social. Trabalham individualmente ou junto a equipes médicas, com supervisão permanente de médicos. São assalariados, com carteira assinada, que trabalham em horários diurnos, noturnos e em rodízio de turnos. Em algumas vezes, são expostos a material tóxico e ruído intenso, dependendo da atividade exercida.


O que é preciso para trabalhar na área dos Técnicos de imobilizações ortopédicas

O exercício da ocupação requer ensino de nível médio, mais curso de profissionalização de duzentas a quatrocentas horas-aula. Em geral, esses profissionais apresentam longo aprendizado no próprio emprego. A exigência de escolaridade ocorre para aqueles que estiverem ingressando no mercado e sem experiência anterior comprovada, que pode variar de um a dois anos. A formação profissional específica para técnico em imobilização ortopédica é recente. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Técnico engessador

Técnicos de imobilizações ortopédicas devem:

  • retirar a imobilização;
  • comunicar-se;
  • demonstrar competências pessoais;
  • organizar a sala de imobilizações;
  • realizar procedimentos adicionais;
  • preparar o paciente e o procedimento;
  • trabalhar com segurança;
  • confeccionar a imobilização;

  • Atividades

    • acondicionar o material;
    • controlar estoque;
    • manter postura ergonômica;
    • preparar modelagem de coto;
    • proteger a integridade física do paciente;
    • bivalvar o aparelho gessado;
    • confeccionar aparelhos de imobilização com materiais sintéticos;
    • verificar alergias do paciente aos materiais;
    • confeccionar enfaixamentos;
    • posicionar o paciente;
    • precaver-se contra efeitos adversos dos produtos;
    • manter o ambiente arejado;
    • orientar o paciente sobre o uso e conservação da imobilização;
    • encaminhar o paciente ao médico para avaliação da imobilização;
    • cortar aparelho gessado com cizalha;
    • explicar ao paciente o procedimento de retirada do aparelho gessado;
    • informar ao médico as condições da área a ser imobilizada;
    • trabalhar com ética profissional;
    • frisar o aparelho gessado;
    • atualizar-se profissionalmente;
    • registrar informações técnicas;
    • instruir o responsável sobre a retirada de aparelho gessado de pé torto congênito;
    • relatar ao médico queixas do paciente;
    • preparar material e instrumental para procedimentos médicos;
    • verificar a suficiência de espaço físico na sala de imobilização;
    • confeccionar tala metálica;
    • confirmar a prescrição com o médico;
    • auxiliar o médico ortopedista nas reduções e trações esqueléticas;
    • confeccionar esparadrapagem;
    • retirar aparelho gessado com serra elétrica vibratória;
    • efetuar a assepsia do local a ser imobilizado;
    • zelar pela organização da sala;
    • certificar-se, com o paciente, sobre o local a ser imobilizado;
    • armazenar material perfurocortante para descarte;
    • prestar primeiros socorros;
    • remover talas metálicas;
    • estimar a quantidade de material a ser utilizado;
    • autorizar ou não a entrada de acompanhante;
    • verificar a existência do equipamento;
    • demonstrar respeito na relação com o paciente;
    • reforçar aparelho gessado;
    • atentar para as condições psicológicas do paciente e do acompanhante;
    • solicitar material de almoxarifado, lavanderia, farmácia e centro cirúrgico;
    • confeccionar trações cutâneas;
    • demonstrar autoconfiança;
    • remover aparelho sintético;
    • verificar condições da área a ser imobilizada;
    • saber ouvir;
    • registrar relatório de plantão;
    • confirmar a integridade das imobilizações dos pacientes internados;
    • cuidar da aparência pessoal;
    • avaliar as condições de uso do material e instrumental;
    • trabalhar em equipe;
    • usar epi (luvas, máscara, avental, óculos e protetor auricular);
    • confeccionar colar cervical;
    • confeccionar goteiras gessadas;
    • abrir janela no aparelho gessado;
    • ler a prescrição médica;
    • providenciar a limpeza da sala;
    • recepcionar o paciente;
    • retirar aparelho gessado com bisturi ortopédico;
    • revelar senso estético;
    • auxiliar o médico ortopedista em imobilizações no centro cirúrgico;
    • tomar vacinas;
    • confeccionar aparelhos gessados circulares;
    • demonstrar paciência;
    • remover tala e ou goteira gessada;
    • mostrar discernimento;
    • liberar a área a ser imobilizada de anéis e outros ornamentos;
    • exercitar iniciativa;
    • colocar salto ortopédico;
    • submeter-se a exames médicos periódicos;
    • supervisionar equipe;
    • analisar o tipo de imobilização com base na prescrição médica;
    • remover enfaixamentos;
    • remover resíduos de gesso do paciente;
    • fender o aparelho gessado;
    • exibir cordialidade;
    • dialogar tecnicamente com os profissionais das várias áreas de saúde;
    • proteger o paciente com biombo, lençol, avental, cortina e outros;


    Setores que mais contratam Técnico engessador no mercado de trabalho

    • Atividades de atendimento hospitalar, exceto pronto-socorro e unidades para atendimento a urgências
    • Atividades de atendimento em pronto-socorro e unidades hospitalares para atendimento a urgências
    • Atividades de apoio à gestão de saúde
    • Atividade médica ambulatorial restrita a consultas
    • Atividade médica ambulatorial com recursos para realização de exames complementares
    • Planos de saúde
    • Atividades de associações de defesa de direitos sociais
    • Atividades de atenção ambulatorial
    • Locação de mão-de-obra temporária
    • Outras atividades de serviços prestados principalmente às empresas




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: