Salário para o cargo de Técnico de enfermagem da estratégia de saúde da família
CBO 3222-45 > Técnicos e auxiliares de enfermagem

Técnico de enfermagem da estratégia de saúde da família - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Desempenham atividades técnicas de enfermagem em empresas públicas e privadas como: hospitais, clínicas e outros estabelecimentos de assistência médica, embarcações e domicílios, atuam em cirurgia, terapia, puericultura, pediatria, psiquiatria, obstetrícia, saúde ocupacional e outras áreas. Prestam assistência ao paciente zelando pelo seu conforto e bem estar, administram medicamentos e desempenham tarefas de instrumentação cirúrgica, posicionando de forma adequada o paciente e o instrumental. Organizam ambiente de trabalho e dão continuidade aos plantões. Trabalham em conformidade às boas práticas, normas e procedimentos de biossegurança. Realizam registros e elaboram relatórios técnicos. Desempenham atividades e realizam ações para promoção da saúde da família.

Quanto ganha um Técnico de enfermagem da estratégia de saúde da família

Um Técnico de enfermagem da estratégia de saúde da família trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.443,60 e R$ 3.710,44, com a média salarial de R$ 2.209,58 e o salário mediana em R$ 2.130,85 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Técnico de enfermagem da estratégia de saúde da família

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 2.209,58 26.514,95 552,39 11,12
1º Quartil 1.443,60 17.323,25 360,90 7,26
Salário Mediana 2.130,85 25.570,20 532,71 10,72
3º Quartil 2.829,74 33.956,84 707,43 14,24
Teto Salarial 3.710,44 44.525,22 927,61 18,67


Categorias profissionais do cargo

  • Técnicos de nível médio
    • Técnicos de nível médio das ciências biológicas, bioquímicas, da saúde
      • Técnicos da ciência da saúde humana
        • Técnicos e auxiliares de enfermagem

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Porto Alegre - RS 2.429 - 3.304 2.640,99 2.429,25 2.728,03 2.728,03 3.304,27
Canoas - RS 2.081 - 2.663 2.109,91 2.080,91 2.080,91 2.198,78 2.663,22
Uberlândia - MG 1.625 - 2.331 1.849,23 1.624,52 1.924,14 1.924,14 2.330,58
Rio de Janeiro - RJ 1.632 - 2.491 1.803,72 1.631,51 1.764,80 2.056,79 2.491,24
Guarujá - SP 1.948 - 2.497 1.991,66 1.948,00 2.007,00 2.061,43 2.496,86
Extrema - MG 1.277 - 1.868 1.371,64 1.276,85 1.276,99 1.542,11 1.867,85
São Paulo - SP 1.390 - 3.632 2.268,23 1.390,33 2.400,18 2.998,45 3.631,81
Braço do Norte - SC 1.582 - 1.916 1.581,50 1.581,50 1.581,50 1.581,50 1.915,56
Santana de Parnaíba - SP 1.458 - 1.766 1.458,00 1.458,00 1.458,00 1.458,00 1.765,97
Gravatai - RS 4.132 - 5.004 4.131,60 4.131,60 4.131,60 4.131,60 5.004,32
Ituiutaba - MG 1.259 - 1.603 1.291,68 1.258,66 1.309,00 1.323,47 1.603,03
Embu-Guaçu - SP 1.282 - 1.679 1.360,01 1.282,05 1.386,00 1.386,00 1.678,76
Americana - SP 1.688 - 2.066 1.692,33 1.688,00 1.688,00 1.705,30 2.065,51
Bragança Paulista - SP 1.787 - 2.209 1.797,47 1.787,00 1.787,00 1.823,63 2.208,84
Jaboticabal - SP 1.485 - 1.870 1.524,09 1.485,32 1.543,54 1.543,54 1.869,58
Osasco - SP 2.226 - 2.697 2.226,35 2.226,35 2.226,35 2.226,35 2.696,62
Laranjeiras do Sul - PR 1.045 - 1.444 1.118,98 1.045,00 1.161,28 1.191,82 1.443,57
Schroeder - SC 2.104 - 2.549 2.104,37 2.104,37 2.104,37 2.104,37 2.548,88
Pitangueiras - SP 1.959 - 2.373 1.959,14 1.959,14 1.959,14 1.959,14 2.372,97
Pariquera-Acu - SP 1.742 - 2.110 1.742,24 1.742,24 1.742,24 1.742,24 2.110,25


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Rio Grande do Sul 1.978 - 3.476 2.556,68 1.978,30 2.658,62 2.869,93 3.476,15
São Paulo 1.410 - 2.811 1.822,35 1.410,13 1.760,00 2.321,19 2.811,49
Minas Gerais 1.230 - 2.547 1.662,64 1.230,32 1.577,36 2.102,82 2.547,00
Rio de Janeiro 1.632 - 2.520 1.807,48 1.631,51 1.764,80 2.080,81 2.520,34
Santa Catarina 1.571 - 2.538 1.782,22 1.571,11 1.581,50 2.095,28 2.537,87
Paraná 1.068 - 2.506 1.477,20 1.067,83 1.463,63 2.069,20 2.506,27
Bahia 1.045 - 2.210 1.502,04 1.045,00 1.600,00 1.824,44 2.209,82
Goiás 1.196 - 1.654 1.263,52 1.196,46 1.244,31 1.365,22 1.653,60


Principais locais de trabalho

Técnicos e auxiliares de enfermagem trabalham em hospitais, clínicas, serviços sociais, ou ainda em domicílios. São assalariados, com carteira assinada, ou trabalham por conta própria, prestando serviços temporários em clínicas ou em residências. Organizam-se em equipe, atuando com supervisão permanente de enfermeiro ou outro membro de equipe de saúde, de nível superior. Trabalham em ambientes fechados e com revezamentos de turnos, ou confinados em embarcação, no caso do auxiliar de saúde (navegação marítima). Exceção feita aos profissionais que atuam na saúde da família, que de acordo com portaria específica, cumprem jornada de oito horas diárias. É comum trabalharem sob pressão, levando à situação de estresse. Em algumas atividades, podem ser expostos à contaminação biológica, material tóxico e à radiação.


O que é preciso para trabalhar na área dos Técnicos e auxiliares de enfermagem

O ingresso nas ocupações técnicas requer certificação de competências ou curso técnico em enfermagem (nível médio). Para os auxiliares de enfermagem requer-se ensino fundamental e cursos de qualificação profissional com o mínimo de quatrocentas horas-aula, podendo chegar a mil e quinhentas. A possibilidade de continuar a qualificação dependerá da conclusão do ensino médio. Atualmente, há cursos técnicos em enfermagem, organizados modularmente, com saídas intermediárias para qualificação de auxiliares de enfermagem. O requisito de entrada desses cursos é o ensino médio completo, tendo como filosofia a educação continuada, que possibilita ao auxiliar atingir o nível técnico, ao completar novos módulos de formação profissionalizante.


Funções e atividades do Técnico de enfermagem da estratégia de saúde da família

Técnicos e auxiliares de enfermagem devem:

  • efetuar procedimentos de admissão;
  • comunicar-se;
  • promover a saúde da família;
  • prestar assistência ao paciente;
  • trabalhar com biossegurança e segurança;
  • demonstrar competências pessoais;
  • realizar instrumentação cirúrgica;
  • auxiliar equipe técnica em procedimentos específicos;
  • promover saúde mental;
  • dar continuidade aos plantões;
  • administrar medicação prescrita;
  • organizar ambiente de trabalho;

  • Atividades

    • proceder à inaloterapia;
    • efetuar testes e exames;
    • proteger paciente durante crises;
    • identificar necessidades dos usuários;
    • implementar atividades terapêuticas prescritas;
    • passar instrumentos à equipe cirúrgica;
    • demonstrar capacidade de saber ouvir;
    • estimular a função vésico-intestinal;
    • arrumar camas;
    • registrar intercorrências e procedimentos realizados;
    • orientar família sobre doença mental;
    • atender usuários nas ubs, nos domicílios ou espaços comunitários;
    • auxiliar equipe em procedimentos invasivos;
    • apresentar-se situando paciente no ambiente;
    • resolver pendências (medicamentos, curativos, exames, encaminhamentos, jejum, entre outras);
    • elaborar relatório sobre paciente;
    • instalar hemoderivados;
    • demonstrar capacidade de efetuar atendimento humanizado;
    • arrolar pertences de paciente;
    • posicionar paciente para cirurgia;
    • atualizar informações cadastrais;
    • demonstrar coordenação motora fina;
    • usar equipamento de proteção individual (epi);
    • cuidar de corpo após morte;
    • executar antissepsia;
    • conferir quantidade e funcionalidade de material e equipamento;
    • estimular paciente na expressão de sentimentos;
    • oferecer comadre e papagaio;
    • realizar busca ativa de situações locais;
    • preparar medicação prescrita;
    • transportar roupas e materiais para expurgo;
    • administrar em separado medicamentos incompatíveis;
    • demonstrar capacidade de persuasão;
    • vacinar-se;
    • limitar espaço de circulação do paciente;
    • proteger proeminências ósseas;
    • definir território de atuação;
    • recomendar desembarque de pessoa doente e acidentada;
    • registrar administração de medicação;
    • mapear área de atuação;
    • encaminhar material para sala cirúrgica;
    • averiguar paciente e pertences (drogas, álcool etc.);
    • lavar mãos antes e após cada procedimento;
    • fornecer roupa;
    • etiquetar prescrição médica (leito, nome e registro do paciente);
    • notificar doenças, agravos e situações de importância local;
    • verificar via de administração;
    • desinfetar aparelhos e materiais;
    • verificar medicamentos recebidos;
    • remover o paciente;
    • paramentar-se;
    • identificar parceiros e recursos disponíveis na comunidade;
    • preparar paciente para medicação;
    • conduzir paciente a atividades sociais;
    • realizar ações de prevenção de agravos e curativas;
    • demonstrar empatia;
    • efetuar testes de glicemia;
    • vistoriar instalações e trabalhadores;
    • prevenir tentativas de suicídio e situações de risco;
    • demonstrar compreensão;
    • verificar resultado e validade da esterilização;
    • massagear paciente;
    • estimular paciente (movimentos ativos e passivos);
    • participar do gerenciamento de insumos;
    • participar das atividades de planejamento;
    • comunicar ao médico efeitos adversos dos medicamentos;
    • providenciar limpeza concorrente e terminal;
    • aplicar bolsa de gelo e calor úmido e seco;
    • orientar familiares e paciente;
    • aplicar clister (lavagem intestinal);
    • verificar quantidade de peças para implante;
    • introduzir cateter nasogástrico e vesical;
    • inspecionar carrinho de parada cardiorrespiratória (pcr);
    • seguir protocolo em caso de contaminação ou acidente;
    • participar das atividades de educação permanente;
    • suprir demandas da equipe;
    • higienizar paciente;
    • definir ações de acordo com prioridades locais;
    • participar de discussão de casos;
    • aspirar cânula oro-traqueal e de traqueostomia;
    • identificar medicação a ser administrada (leito, nome e registro do paciente);
    • promover a integralidade do cuidado;
    • calcular dosagem de medicamentos;
    • etiquetar pertences de paciente;
    • posicionar placa de bisturi elétrico;
    • controlar exames periódicos de funcionários;
    • precaver-se contra efeitos adversos dos produtos;
    • efetuar tricotomia;
    • esterilizar instrumental;
    • providenciar material de consumo;
    • identificar grupos, famílias e indivíduos expostos a riscos;
    • controlar administração de vacinas;
    • registrar ingesta;
    • puncionar acesso venoso;
    • coletar material para exames;
    • mensurar paciente (peso, altura);
    • atentar para temperatura e reações de paciente em transfusões;
    • ajudar paciente a alimentar-se;
    • acompanhar paciente na ingestão de medicamento;
    • participar em campanhas de saúde pública;
    • conferir quantidade de psicotrópicos;
    • colocar grades laterais no leito;
    • auxiliar em reanimação de paciente;
    • controlar balanço hídrico;
    • anotar gastos da cirurgia;
    • vistoriar cada paciente;
    • encaminhar material para exames;
    • trocar curativos;
    • registrar as atividades nos sistemas de informação;
    • descartar material contaminado;
    • monitorar evolução de paciente;
    • verificar suficiência de equipamento, material cirúrgico e compressas;
    • disponibilizar pertences pessoais para paciente (preservação da identidade);
    • interpretar testes cutâneos;
    • coordenar o cuidado dos usuários;
    • fiscalizar validade de materiais e medicamentos;
    • dispensar de trabalho funcionário e tripulante doente ou acidentado;
    • demonstrar capacidade de atenção;
    • recomendar abstenção de decisões durante surto mental;
    • participar das avaliações da equipe;
    • acionar equipe de segurança;
    • solicitar presença no centro cirúrgico de outros profissionais;
    • acondicionar perfurocortante para descarte;
    • verificar a quantidade de compressas cirúrgicas;
    • conter paciente no leito;
    • repor material na sala cirúrgica;
    • trocar informações técnicas;
    • aprontar paciente para exame e cirurgia;
    • contar número de compressas, material e instrumental pré e pós cirurgia;
    • chamar médico nas intercorrências;
    • administrar produtos quimioterápicos;
    • marcar tipo de contaminação do hamper e lixo;
    • controlar sinais vitais;
    • organizar grupos de promoção à saúde;
    • mudar decúbito no leito;
    • incentivar a participação da comunidade;
    • vedar sala cirúrgica;
    • instalar alimentação induzida;
    • ministrar palestras;
    • demarcar limites de comportamento;
    • arrumar rouparia;
    • organizar medicamentos e materiais de uso de paciente e de posto de enfermagem;
    • responsabilizar-se por todos os atendimentos da população adescrita;
    • acompanhar tempo de administração de soro e medicação;


    Setores que mais contratam Técnico de enfermagem da estratégia de saúde da família no mercado de trabalho

    • Atividade médica ambulatorial com recursos para realização de exames complementares
    • Atividades de atendimento hospitalar, exceto pronto-socorro e unidades para atendimento a urgências
    • Administração pública em geral
    • Atividades de apoio à gestão de saúde
    • Atividades de associações de defesa de direitos sociais
    • Instituições de longa permanência para idosos
    • Locação de mão-de-obra temporária
    • Atividades de fornecimento de infra-estrutura de apoio e assistência a paciente no domicílio
    • Atividade médica ambulatorial restrita a consultas
    • Atividades de profissionais da área de saúde




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: