Salário para o cargo de Espinçador (produção têxtil)
CBO 7618-15 > Inspetores e revisores de produção têxtil

Espinçador (produção têxtil) - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Classificam bobinas de fios têxteis, tecidos planos e de malhas e preparam lotes de produção conforme programação pré-estabelecida. Empregam ações preventivas e corretivas na produção de fios têxteis, tecidos planos e de malhas e registram dados para controle estatístico e de qualidade. Identificam necessidades de treinamento. Trabalham em conformidade a normas e procedimentos técnicos de qualidade, segurança, meio ambiente e saúde.

Quanto ganha um Espinçador (produção têxtil)

Um Espinçador (produção têxtil) trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.193,85 e R$ 2.042,14, com a média salarial de R$ 1.340,03 e o salário mediana em R$ 1.318,00 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Espinçador (produção têxtil)

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 1.340,03 16.080,33 335,01 6,12
1º Quartil 1.193,85 14.326,14 298,46 5,45
Salário Mediana 1.318,00 15.816,00 329,50 6,02
3º Quartil 1.557,42 18.689,04 389,36 7,11
Teto Salarial 2.042,14 24.505,64 510,53 9,32


Categorias profissionais do cargo

  • Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais
    • Trabalhadores nas indústrias têxtil, do curtimento, do vestúario e das artes gráficas
      • Trabalhadores das industrias têxteis
        • Inspetores e revisores de produção têxtil

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Brusque - SC 1.255 - 2.065 1.426,72 1.255,04 1.370,00 1.704,76 2.064,85
Blumenau - SC 1.250 - 1.934 1.383,28 1.249,76 1.337,60 1.596,76 1.934,04
São Paulo - SP 1.290 - 2.107 1.511,41 1.290,37 1.508,02 1.739,68 2.107,15
Jaraguá do Sul - SC 1.290 - 1.940 1.405,41 1.290,35 1.350,00 1.601,42 1.939,69
Indaial - SC 1.227 - 1.889 1.352,72 1.226,54 1.317,54 1.559,94 1.889,45
Casca - RS 1.069 - 1.467 1.115,94 1.069,01 1.069,84 1.211,39 1.467,28
Joinville - SC 1.308 - 1.880 1.417,97 1.307,52 1.408,00 1.552,36 1.880,27
Presidente Getúlio - SC 1.202 - 1.738 1.293,36 1.202,39 1.260,00 1.434,55 1.737,57
Gaspar - SC 1.262 - 2.090 1.435,77 1.262,10 1.397,00 1.725,23 2.089,65
Fortaleza - CE 1.068 - 1.574 1.153,33 1.068,02 1.122,42 1.299,22 1.573,65
Taguai - SP 1.122 - 1.424 1.149,76 1.122,00 1.138,00 1.176,00 1.424,41
Guabiruba - SC 1.272 - 2.191 1.504,52 1.271,64 1.492,00 1.808,73 2.190,78
Guaramirim - SC 1.314 - 1.817 1.383,65 1.313,96 1.350,80 1.500,20 1.817,09
Ibirama - SC 1.202 - 1.731 1.291,91 1.201,80 1.260,00 1.429,47 1.731,42
Videira - SC 1.315 - 1.645 1.331,74 1.314,85 1.325,00 1.358,13 1.645,01
Timbó - SC 1.239 - 1.824 1.358,05 1.239,46 1.350,00 1.505,89 1.823,98
Americana - SP 1.363 - 2.435 1.640,80 1.362,89 1.589,61 2.010,44 2.435,10
Rio de Janeiro - RJ 1.134 - 1.868 1.284,86 1.134,19 1.219,91 1.542,32 1.868,10
São Bento do Sul - SC 1.295 - 1.736 1.350,32 1.295,46 1.353,00 1.433,06 1.735,76
Ituporanga - SC 1.238 - 1.741 1.311,97 1.237,86 1.267,80 1.437,26 1.740,85


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Santa Catarina 1.240 - 1.927 1.379,71 1.240,22 1.338,00 1.591,04 1.927,12
São Paulo 1.157 - 2.135 1.429,78 1.156,82 1.386,00 1.762,58 2.134,89
Rio Grande do Sul 1.069 - 1.791 1.230,73 1.069,31 1.193,55 1.479,06 1.791,49
Minas Gerais 1.047 - 1.639 1.152,63 1.047,16 1.109,00 1.353,27 1.639,13
Ceará 1.052 - 1.523 1.131,53 1.052,27 1.110,00 1.257,35 1.522,94
Paraná 1.115 - 1.919 1.352,25 1.115,47 1.355,00 1.584,63 1.919,35
Rio de Janeiro 1.141 - 1.870 1.298,59 1.140,85 1.220,10 1.544,16 1.870,34
Mato Grosso do Sul 1.045 - 1.421 1.079,23 1.045,00 1.045,00 1.173,30 1.421,13
Goiás 1.044 - 1.393 1.076,04 1.044,28 1.045,00 1.149,78 1.392,64
Mato Grosso 1.045 - 1.300 1.051,95 1.045,00 1.045,00 1.072,90 1.299,53
Espírito Santo 1.087 - 1.525 1.158,78 1.086,50 1.130,00 1.258,84 1.524,75
Rio Grande do Norte 1.050 - 1.382 1.072,28 1.050,00 1.050,00 1.140,93 1.381,93
Paraíba 1.045 - 1.309 1.053,88 1.045,00 1.045,00 1.080,53 1.308,77
Sergipe 1.054 - 1.438 1.127,71 1.053,72 1.130,00 1.186,83 1.437,53
Pernambuco 1.065 - 1.850 1.196,39 1.064,71 1.101,95 1.527,43 1.850,07
Pará 1.045 - 1.332 1.055,00 1.045,00 1.045,00 1.100,00 1.332,35
Bahia 1.045 - 1.559 1.175,84 1.045,00 1.222,70 1.287,00 1.558,85
Maranhão 1.045 - 1.332 1.075,56 1.045,00 1.100,00 1.100,00 1.332,35
Piauí 1.069 - 1.383 1.104,12 1.068,52 1.100,00 1.141,83 1.383,02
Amazonas 1.063 - 1.450 1.090,06 1.063,31 1.063,31 1.197,05 1.449,90


Principais locais de trabalho

Inspetores e revisores de produção têxtil essas ocupações são exercidas por trabalhadores com carteira assinada, empregados na fabricação de produtos têxteis, sendo que o inspetor de estamparia também pode atuar na confecção de vestuário e acessórios. O trabalho é presencial e individual com supervisão permanente, em ambiente fechado, com horário fixo ou em forma de rodízio de turnos. Algumas das atividades desenvolvidas pelo inspetor de estamparia e pelo revisor de tecidos crus, estão sujeitas a ruído intenso.


O que é preciso para trabalhar na área dos Inspetores e revisores de produção têxtil

Para o exercício desse cargo requer-se formação escolar de nível fundamental e curso de qualificação na área têxtil que varia entre duzentas e quatrocentas horas-aula, oferecido pela própria empresa ou em instituições de formação profissional. O exercício pleno das atividades é atingido após um a dois anos de experiência, exceto para o inspetor de estamparia que demanda três a quatro anos de prática profissional. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Espinçador (produção têxtil)

Inspetores e revisores de produção têxtil devem:

  • identificar necessidades de treinamento operacional;
  • demonstrar competências pessoais;
  • classificar bobinas de fios têxteis, tecidos planos e de malhas;
  • trabalhar com segurança;
  • preparar lotes de produção conforme programação preestabelecida;
  • registrar dados para controle estatístico e de qualidade;
  • empregar ações preventivas e corretivas na produção de fios têxteis, tecidos planos e de malhas;

  • Atividades

    • selecionar bobinas de fios têxteis e tecidos planos e de malhas para beneficiamento e expedição;
    • costurar tecidos planos e malhas;
    • separar amostras de tecidos planos e de malhas (crus e acabados) com defeitos para a produção;
    • limpar local de trabalho;
    • ordenar empilhamento de bobinas de fios têxteis e tecidos planos e malhas;
    • classificar defeitos de tecidos planos (crus e acabados) de acordo com padrões preestabelecidos;
    • identificar incidências de tipos de defeitos por operador;
    • calcular número de defeitos em valores estatísticos;
    • demonstrar senso de responsabilidade;
    • avaliar o desempenho de operadores de tecelagem plana e de malha com qualidade de produção inferior;
    • separar amostras de fios (crus e tintos) com defeitos para a produção;
    • informar à produção necessidade de reprogramação dos produtos;
    • realizar reunião com equipe responsável por defeitos causados nos tecidos planos e de malhas (crus);
    • registrar não conformidades ocorridas na revisão;
    • classificar defeitos de tecidos de malhas (crus e acabados) de acordo com padrões preestabelecidos;
    • inspecionar visualmente bobinas (cones) de fios têxteis crus e tintos;
    • demonstrar capacidade de auto aperfeiçoamento;
    • identificar defeitos em tecidos de malhas (crus e acabados);
    • certificar lotes produzidos conforme necessidades programadas;
    • organizar local de trabalho;
    • identificar defeitos em bobinas (cones) de fios têxteis (crus e tintos);
    • identificar defeitos em tecidos planos (crus e acabados);
    • demonstrar iniciativa;
    • propor sugestões para melhoria do plano de treinamento operacional;
    • identificar condições inseguras das máquinas;
    • revisar visualmente defeitos de tecidos planos (crus e acabados);
    • identificar condições inseguras do local de trabalho;
    • avaliar o desempenho de operadores de fiação com qualidade de produção inferior;
    • indicar processo de beneficiamento de tecidos planos;
    • indicar processo de beneficiamento de tecidos de malhas;
    • revisar visualmente defeitos de tecidos de malhas (crus e acabados);
    • avaliar índice de produtividade e qualidade pós-treinamento;
    • demonstrar criatividade;
    • discriminar cores;
    • discriminar texturas;
    • registrar defeito de bobina de fios têxteis crus e tinto , tecido plano e de malha (cru e acabado);
    • interromper a produção mediante classes de defeitos;
    • demonstrar agilidade;
    • trabalhar em equipe;
    • remover defeitos de tecidos planos e de malhas;
    • utilizar equipamentos de proteção individual;
    • segregar produtos de qualidade inferior;
    • demonstrar capacidade de atenção concentrada;
    • emitir relatórios de não conformidade para avaliação da produção;
    • discriminar defeitos;


    Setores que mais contratam Espinçador (produção têxtil) no mercado de trabalho

    • Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas e as confeccionadas sob medida
    • Facção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas
    • Toalheiros
    • Confecção de roupas íntimas
    • Fabricação de tecidos de malha
    • Fabricação de artefatos têxteis para uso doméstico
    • Tecelagem de fios de algodão
    • Locação de mão-de-obra temporária
    • Fabricação de outros produtos têxteis não especificados anteriormente
    • Aluguel de objetos do vestuário, jóias e acessórios




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque:

    Salário para o cargo de Chargista
    Artistas visuais, desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

    Chargista