Salário para o cargo de Chefe de setor de plásticos
CBO 8102-05 > Supervisores de produção em indústrias de transformação de plásticos e borrachas

Chefe de setor de plásticos - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Supervisionam a fabricação de produtos plásticos e de borracha, controlam parâmetros de processos e metas de produção, coordenam equipes de trabalho, controlam cumprimento de normas e procedimentos administrativos de equipes de trabalho, elaboram documentação técnica e aplicam normas e procedimentos de segurança.

Quanto ganha um Chefe de setor de plásticos

Um Chefe de setor de plásticos trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.561,02 e R$ 10.775,96, com a média salarial de R$ 3.858,76 e o salário mediana em R$ 2.788,17 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Chefe de setor de plásticos

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 3.858,76 46.305,10 964,69 17,73
1º Quartil 1.561,02 18.732,29 390,26 7,17
Salário Mediana 2.788,17 33.458,04 697,04 12,81
3º Quartil 8.218,21 98.618,47 2.054,55 37,77
Teto Salarial 10.775,96 129.311,50 2.693,99 49,52


Categorias profissionais do cargo

  • Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais
    • Trabalhadores em indústrias de processos contínuos e outras indústrias
      • Supervisores de produção, em indústrias químicas, petroquímicas
        • Supervisores de produção em indústrias de transformação de plásticos e borrachas

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo - SP 1.606 - 23.947 6.735,04 1.606,10 2.674,13 19.770,76 23.946,93
Joinville - SC 2.216 - 11.782 4.995,66 2.216,44 3.898,40 9.726,92 11.781,54
São Leopoldo - RS 1.340 - 6.920 2.692,89 1.339,85 1.622,06 5.713,20 6.919,99
Novo Hamburgo - RS 1.451 - 4.557 2.338,72 1.450,53 2.049,10 3.762,40 4.557,13
Caxias do Sul - RS 1.870 - 7.488 3.577,57 1.869,51 3.090,00 6.181,96 7.487,78
Guarulhos - SP 2.061 - 8.198 4.153,34 2.060,90 3.999,60 6.768,35 8.198,02
Manaus - AM 2.107 - 10.077 4.666,19 2.107,41 4.335,29 8.319,49 10.076,81
Campinas - SP 1.659 - 8.825 3.926,45 1.659,13 3.490,77 7.285,66 8.824,61
Itupeva - SP 2.357 - 10.523 4.744,00 2.357,04 3.753,40 8.687,70 10.522,81
Sorocaba - SP 2.517 - 9.907 4.315,07 2.517,06 3.239,48 8.179,13 9.906,81
São Bernardo do Campo - SP 2.795 - 10.872 5.417,78 2.794,60 4.394,50 8.975,77 10.871,72
Jundiaí - SP 1.756 - 7.450 3.967,21 1.755,84 4.000,00 6.150,84 7.450,08
Gaspar - SC 1.873 - 6.372 3.465,41 1.872,75 3.500,00 5.261,09 6.372,38
Bento Goncalves - RS 1.640 - 5.817 2.829,13 1.639,50 2.532,00 4.802,25 5.816,63
Santo André - SP 1.469 - 5.530 2.789,31 1.469,19 2.800,00 4.565,58 5.529,96
Maringá - PR 1.268 - 7.410 2.705,69 1.268,00 1.700,00 6.118,00 7.410,31
Araquari - SC 2.206 - 4.994 3.266,19 2.206,09 3.512,20 4.122,80 4.993,66
Atibaia - SP 2.143 - 13.174 5.645,82 2.142,50 3.550,00 10.876,75 13.174,25
Cotia - SP 1.836 - 5.481 2.753,43 1.835,60 2.036,30 4.525,00 5.480,82
Campo Bom - RS 1.589 - 6.228 2.865,08 1.588,80 2.285,80 5.142,28 6.228,48


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo 1.808 - 14.499 5.011,77 1.807,58 3.022,80 11.970,68 14.499,25
Rio Grande do Sul 1.486 - 6.358 2.931,50 1.486,40 2.420,00 5.249,34 6.358,16
Santa Catarina 1.862 - 8.477 3.818,78 1.861,61 3.254,67 6.999,04 8.477,44
Paraná 1.306 - 7.370 2.971,99 1.306,13 2.096,60 6.084,58 7.369,83
Minas Gerais 1.509 - 6.550 3.031,32 1.509,25 2.570,77 5.407,43 6.549,65
Rio de Janeiro 1.708 - 9.492 4.462,77 1.708,39 4.307,11 7.836,26 9.491,52
Bahia 1.626 - 6.177 2.963,28 1.626,48 2.656,50 5.100,05 6.177,34
Ceará 1.222 - 5.660 2.401,32 1.222,29 1.854,00 4.673,02 5.660,10
Amazonas 2.107 - 10.077 4.666,19 2.107,41 4.335,29 8.319,49 10.076,81
Goiás 1.257 - 4.504 2.214,35 1.256,55 1.992,45 3.718,13 4.503,52
Pernambuco 1.424 - 6.670 3.128,65 1.423,86 2.522,55 5.507,10 6.670,36
Mato Grosso 1.158 - 2.768 1.482,55 1.157,68 1.216,60 2.284,87 2.767,50
Paraíba 1.295 - 2.695 1.731,16 1.295,28 1.650,00 2.224,65 2.694,56
Alagoas 1.396 - 4.320 2.392,50 1.396,14 2.126,89 3.566,60 4.319,97
Rio Grande do Norte 1.133 - 4.542 2.245,04 1.133,00 2.434,94 3.750,00 4.542,11
Espírito Santo 1.642 - 8.757 3.544,30 1.642,25 2.455,09 7.229,88 8.757,04
Pará 1.681 - 9.001 3.350,00 1.680,55 2.438,09 7.431,15 9.000,83
Mato Grosso do Sul 1.300 - 3.376 2.037,46 1.300,00 2.000,00 2.787,28 3.376,04


Principais locais de trabalho

Supervisores de produção em indústrias de transformação de plásticos e borrachas trabalham em indústrias de transformação de plásticos e borracha, supervisionando diretamente uma equipe de trabalhadores de chão de fábrica, sendo também, ocasionalmente supervisionados. São empregados assalariados com carteira assinada. Desenvolvem seu trabalho em ambientes fechados, em períodos diurnos e noturnos e em rodízio de turnos. Podem estar sujeitos à exposição a ruído intenso.


O que é preciso para trabalhar na área dos Supervisores de produção em indústrias de transformação de plásticos e borrachas

Para o exercício dessa ocupação requer-se escolaridade de ensino médio e curso técnico ou experiência equivalente. O exercício pleno das atividades ocorre após quatro ou cinco anos de experiência.


Funções e atividades do Chefe de setor de plásticos

Supervisores de produção em indústrias de transformação de plásticos e borrachas devem:

  • demonstrar competências pessoais;
  • trabalhar com segurança;
  • elaborar documentação técnica;
  • controlar parâmetros de processos de produção;
  • controlar metas de produção;
  • coordenar equipe de trabalho;
  • realizar controles administrativos;
  • supervisionar a fabricação de produtos plásticos;
  • supervisionar a fabricação de produtos de borracha;

  • Atividades

    • cumprir procedimentos do sistema da qualidade;
    • administrar conflitos;
    • adaptar-se às mudanças;
    • demonstrar auto-organização;
    • avaliar resultados de testes laboratoriais;
    • acompanhar o desenvolvimento de novos produtos e matérias primas;
    • coordenar transformação de materiais plásticos por diversos processos;
    • demonstrar profissionalismo;
    • orientar equipe de trabalho sobre normas e procedimentos da empresa;
    • inspecionar o uso de epi e epc;
    • informar sobre acidentes no trabalho;
    • definir alterações em produtos, ferramentas e equipamentos;
    • orientar equipes sobre responsabilidade civil relativas à segurança do trabalho;
    • monitorar aferição de equipamentos;
    • controlar especificações técnicas;
    • consultar documentação técnica;
    • programar manutenção de equipamentos;
    • controlar a pesagem de matérias-primas e insumos;
    • comunicar-se;
    • operar meios informatizados;
    • desenvolver relacionamento interpessoal;
    • elaborar relatórios técnicos;
    • demonstrar iniciativa;
    • avaliar resultados de testes metrológicos;
    • demonstrar bom senso;
    • interpretar projetos de fabricação de produtos;
    • elaborar folhas de processos de operação;
    • elaborar procedimentos operacionais;
    • avaliar o desempenho dos funcionários;
    • elaborar requisições de materiais e serviços;
    • solicitar análises laboratoriais;
    • expressar raciocínio analítico;
    • distribuir atividades;
    • demonstrar flexibilidade;
    • dimensionar equipe de trabalho;
    • especificar processos para reciclagem de materiais;
    • interpretar cartas de controle;
    • elaborar planos de ações preventivas;
    • especificar características técnicas para aquisição de peças e equipamentos;
    • treinar equipe de trabalho;
    • autorizar a produção de novos produtos, conforme padrões estabelecidos;
    • controlar perdas e resíduos de produção;
    • propor alternativas de produção em situações de emergência;
    • controlar custos de manutenção;
    • identificar condições inseguras no setor;
    • fornecer dados sobre métodos e processos de produção;
    • avaliar habilidades e potenciais técnicos;
    • orientar equipes na resolução de problemas;
    • desenvolver matérias-primas alternativas;
    • coordenar a composição da massa em função da especificação técnica;
    • desenvolver operadores para exercício de outras funções;
    • controlar orçamento do setor;
    • autocontrolar-se;
    • orientar equipe para resoluções de problemas;
    • definir fluxos de fabricação;
    • corrigir formulações;
    • solicitar manutenção de equipamentos e ferramentas;
    • controlar quantidade e qualidade;
    • inspecionar a preparação de máquinas e da matéria-prima;
    • elaborar fluxogramas e cronogramas;
    • exercer a liderança;
    • analisar capacidade instalada;
    • fornecer dados para análise de acidentes no trabalho;
    • demonstrar capacidade de argumentação;
    • interpretar normas de segurança;
    • otimizar leiaute de produção;
    • enfrentar novos desafios;
    • definir parâmetros dos processos;
    • orientar equipe em situações de emergência;
    • controlar estoques de matérias-primas;
    • orientar equipe de trabalho, sobre normas e métodos de fabricação;
    • analisar viabilidade de produção;
    • interpretar formulações de matérias primas;
    • atualizar-se;
    • interpretar mapas de risco;
    • aperfeiçoar processos de produção;
    • orientar operadores sobre sistemas hidráulicos, pneumáticos, mecânicos e elétricos;
    • controlar custos de produção;
    • monitorar os processos de transformação;
    • demonstrar autodisciplina;
    • otimizar capacidade de fabricação de equipamentos e periféricos;
    • identificar falhas nos processos;
    • otimizar a utilização de matérias-primas;
    • controlar reprocesso de produção;
    • controlar devoluções e reclamações de clientes;
    • demonstrar empatia;
    • especificar ações corretivas e de melhoria nos processos;
    • solicitar construção de dispositivos auxiliares de processos (periféricos);
    • orientar equipes sobre processos operacionais;
    • alocar recursos humanos, em função de seus potenciais;
    • indicar áreas de risco;
    • emitir pareceres técnicos;
    • realizar programas de produção conforme prioridades;
    • monitorar ´try-out´ de máquinas, materiais e ferramentas;
    • controlar escala de férias e absenteísmo da equipe;


    Setores que mais contratam Chefe de setor de plásticos no mercado de trabalho

    • Fabricação de embalagens de material plástico
    • Fabricação de artefatos de material plástico para outros usos não especificados anteriormente
    • Fabricação de artefatos de borracha não especificados anteriormente
    • Fabricação de artefatos de material plástico para usos industriais
    • Fabricação de artefatos de material plástico para uso pessoal e doméstico
    • Fabricação de pneumáticos e de câmaras-de-ar
    • Fabricação de partes para calçados, de qualquer material
    • Fabricação de artefatos de material plástico para uso na construção, exceto tubos e acessórios
    • Fabricação de outras peças e acessórios para veículos automotores
    • Fabricação de tubos e acessórios de material plástico para uso na construção




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: