Salário para o cargo de Auxiliar de laboratorista de solo
CBO 3011-10 > Técnicos de laboratório industrial

Auxiliar de laboratorista de solo - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Executam ensaios físicos, químicos, metalográficos e biológicos. Garantem a calibração dos equipamentos e realizam amostragem de materiais. Trabalham segundo normas de segurança, saúde e meio ambiente. Controlam a qualidade. Participam do sistema da qualidade da empresa e no desenvolvimento de novos produtos e fornecedores. Colaboram no desenvolvimento de metodologias de análises.

Quanto ganha um Auxiliar de laboratorista de solo

Um Auxiliar de laboratorista de solo trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.208,01 e R$ 5.522,09, com a média salarial de R$ 2.256,56 e o salário mediana em R$ 1.787,47 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Auxiliar de laboratorista de solo

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 2.256,56 27.078,69 564,14 10,44
1º Quartil 1.208,01 14.496,07 302,00 5,59
Salário Mediana 1.787,47 21.449,64 446,87 8,27
3º Quartil 4.211,38 50.536,57 1.052,85 19,48
Teto Salarial 5.522,09 66.265,07 1.380,52 25,54


Categorias profissionais do cargo

  • Técnicos de nível médio
    • Técnicos polivalentes
      • Técnicos em laboratório
        • Técnicos de laboratório industrial

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Belo Horizonte - MG 1.132 - 4.007 1.960,96 1.131,66 1.650,00 3.308,57 4.007,43
São Paulo - SP 1.462 - 4.237 2.268,37 1.461,88 2.000,00 3.497,94 4.236,81
Curitiba - PR 1.375 - 3.913 2.247,77 1.375,31 2.299,00 3.230,54 3.912,93
Goiânia - GO 1.217 - 3.409 1.825,67 1.217,48 1.570,80 2.814,37 3.408,85
Recife - PE 1.127 - 3.077 1.627,20 1.126,79 1.299,79 2.540,59 3.077,23
Rio de Janeiro - RJ 1.510 - 4.060 2.257,51 1.509,65 2.000,00 3.351,66 4.059,63
Cuiabá - MT 1.217 - 3.213 1.709,75 1.217,09 1.380,74 2.652,67 3.212,99
Salvador - BA 1.182 - 3.849 1.993,85 1.181,89 1.811,90 3.177,91 3.849,18
Porto Alegre - RS 1.208 - 3.563 1.865,29 1.207,92 1.457,50 2.942,01 3.563,45
Parauapebas - PA 1.334 - 4.213 2.239,01 1.333,85 1.920,33 3.477,88 4.212,51
Fortaleza - CE 1.146 - 3.666 1.800,18 1.146,43 1.538,31 3.027,03 3.666,43
Pinhais - PR 1.170 - 3.134 1.755,91 1.170,07 1.600,00 2.587,34 3.133,87
Uberlândia - MG 1.134 - 3.552 1.835,94 1.134,11 1.635,00 2.932,28 3.551,66
Brasília - DF 1.140 - 3.023 1.645,53 1.140,48 1.425,93 2.495,43 3.022,54
Ribeirão Preto - SP 1.360 - 3.659 2.235,72 1.360,36 2.318,23 3.021,29 3.659,48
Nova Lima - MG 1.358 - 4.460 2.351,98 1.357,51 2.117,13 3.681,89 4.459,61
Barueri - SP 1.940 - 3.435 2.306,96 1.939,78 2.300,00 2.835,78 3.434,78
Sorocaba - SP 1.208 - 3.922 1.859,33 1.207,95 1.394,10 3.237,81 3.921,73
Feira de Santana - BA 1.132 - 2.471 1.510,15 1.132,05 1.324,70 2.040,14 2.471,08
Manaus - AM 1.325 - 4.284 2.153,11 1.324,71 1.853,21 3.537,04 4.284,17


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Minas Gerais 1.149 - 4.128 2.013,51 1.149,31 1.742,00 3.407,80 4.127,63
São Paulo 1.435 - 5.817 2.568,37 1.434,58 2.000,00 4.802,66 5.817,13
Paraná 1.325 - 3.886 2.139,47 1.324,68 1.996,90 3.208,62 3.886,38
Bahia 1.205 - 3.572 1.908,65 1.204,55 1.787,47 2.949,15 3.572,10
Goiás 1.188 - 3.495 1.841,89 1.187,51 1.570,80 2.885,43 3.494,92
Rio de Janeiro 1.391 - 4.194 2.191,09 1.391,44 1.995,40 3.462,28 4.193,62
Mato Grosso 1.191 - 3.224 1.725,38 1.190,54 1.500,00 2.661,65 3.223,87
Pará 1.314 - 25.601 6.622,00 1.313,63 1.877,77 21.136,37 25.601,01
Santa Catarina 1.275 - 3.685 1.922,10 1.275,18 1.620,98 3.042,07 3.684,65
Pernambuco 1.136 - 3.152 1.691,29 1.136,26 1.544,33 2.602,07 3.151,71
Rio Grande do Sul 1.222 - 3.794 2.001,79 1.222,05 1.846,47 3.132,76 3.794,49
Ceará 1.162 - 6.115 2.284,37 1.161,93 1.382,02 5.048,38 6.114,75
Maranhão 1.156 - 4.098 2.075,54 1.156,33 1.808,27 3.383,19 4.097,82
Espírito Santo 1.180 - 3.313 1.775,24 1.180,17 1.575,89 2.735,40 3.313,20
Mato Grosso do Sul 1.267 - 4.395 2.276,34 1.267,15 2.000,00 3.628,42 4.394,86
Rio Grande do Norte 1.272 - 3.581 1.849,77 1.272,14 1.437,40 2.956,28 3.580,74
Piauí 1.143 - 3.860 1.830,00 1.143,43 1.494,35 3.186,68 3.859,80
Amazonas 1.304 - 4.151 2.112,82 1.303,62 1.853,21 3.426,87 4.150,73
Distrito Federal 1.140 - 3.023 1.645,53 1.140,48 1.425,93 2.495,43 3.022,54
Rondônia 1.134 - 2.495 1.447,43 1.133,57 1.306,00 2.059,54 2.494,57
Sergipe 1.213 - 3.651 1.866,20 1.213,30 1.410,97 3.014,59 3.651,36
Paraíba 1.127 - 3.517 1.694,98 1.127,11 1.349,27 2.903,45 3.516,75
Tocantins 1.260 - 3.586 1.921,16 1.260,30 1.635,00 2.960,88 3.586,31
Acre 1.156 - 3.624 1.851,90 1.155,83 1.191,88 2.992,40 3.624,49
Amapá 1.045 - 3.494 1.713,48 1.045,00 1.350,00 2.884,78 3.494,13
Alagoas 1.286 - 3.320 1.802,02 1.285,55 1.592,80 2.741,08 3.320,08
Roraima 1.067 - 2.863 1.450,62 1.067,46 1.171,52 2.363,70 2.862,98


Principais locais de trabalho

Técnicos de laboratório industrial o trabalho é exercido em indústrias de extração de petróleo e gás natural, de fabricação de produtos químicos, de metal, têxteis e na construção. Os profissionais são assalariados com carteira assinada. Trabalham de forma individual, sob supervisão permanente, exceto o técnico químico em petróleo que é ocasional. Os profissionais trabalham em ambiente fechado e a céu aberto. O técnico de laboratório de análises físico-químicas (materiais de construção) e o técnico químico em petróleo podem trabalhar em veículos. O horário de trabalho pode ser de turno fixo diurno ou noturno ou, ainda, no regime de rodízio. Em suas atividades, os trabalhadores ficam expostos a materiais tóxicos e inflamáveis, o técnico de laboratório indústrial também fica exposto a altas temperaturas. Trabalho subterrâneo e ruído intenso fazem parte das atividades do técnico de laboratório de análises físico-químicas (materiais de construção), assim como trabalhar em grandes alturas faz parte das atividades do técnico


O que é preciso para trabalhar na área dos Técnicos de laboratório industrial

Essas ocupações são exercidas por trabalhadores com formação técnica de ensino médio na área de atuação. O exercício pleno das ocupações se dá após três a quatro anos de experiência.


Funções e atividades do Auxiliar de laboratorista de solo

Técnicos de laboratório industrial devem:

  • trabalhar segundo normas de segurança, saúde e meio ambiente;
  • demonstrar competências pessoais;
  • colaborar no desenvolvimento de metodologias de análises;
  • participar do sistema da qualidade da empresa;
  • garantir a calibração dos equipamentos;
  • controlar a qualidade;
  • executar ensaios físicos, químicos, metalográficos e biológicos;
  • realizar amostragem de materiais;
  • participar no desenvolvimento de novos produtos e fornecedores;

  • Atividades

    • comprometer-se com os resultados da empresa;
    • monitorar resultados obtidos em bancada ou analisadores em linha;
    • selecionar prestadores de serviços de calibração;
    • utilizar equipamentos de proteção individual estabelecidos em normas;
    • registrar resultados;
    • efetuar a calibração de equipamentos;
    • coletar amostra conforma normas;
    • padronizar procedimentos de análises;
    • emitir os relatórios;
    • preparar materiais e equipamentos para ensaio;
    • validar metodologia de análise;
    • implementar metodologias de análise;
    • pesquisar métodos de recuperação, reciclagem e reaproveitamento de resíduos industriais;
    • aplicar procedimentos de descarte e segregação de resíduos de laboratório;
    • atender aos procedimentos definidos pelo sistema de garantia da qualidade;
    • efetuar descarte ou reaproveitamento da amostra conforme procedimentos estabelecidos;
    • atuar com criatividade;
    • aplicar métodos e técnicas normalizadas de análises e ensaios;
    • interpretar resultados em relação ao padrão;
    • cumprir legislação e normas pertinentes;
    • otimizar metodologias de análises;
    • prover laboratório dos materiais de consumo;
    • definir o tipo de padrão para calibração;
    • testar novas metodologias e procedimentos;
    • aplicar recursos de informática como usuário;
    • atuar com responsabilidade técnica;
    • selecionar padrão de análise para calibração;
    • aplicar método específico de calibração;
    • validar resultados obtidos em bancada ou analisadores em linha;
    • padronizar soluções para análise;
    • controlar a qualidade da matéria-prima;
    • auxiliar na especificação de produtos;
    • monitorar resultados dos testes dos novos produtos;
    • interpretar resultados da análise conforme especificação;
    • aplicar metodologia de amostragem;
    • conduzir análises para auxiliar no controle de emissões do processo;
    • colaborar nas auditorias internas e externas da qualidade;
    • agir com iniciativa;
    • registrar dados de calibração;
    • realizar testes no desenvolvimento de novos produtos;
    • controlar a qualidade do produto acabado;
    • respeitar a opinião dos outros;
    • preparar soluções para análise;
    • empregar estatística e metrologia de nível básico;
    • revisar procedimentos e análises;
    • monitorar validade de calibração de equipamentos;
    • informar os resultados da análise;
    • preservar a amostra conforme especificações e procedimentos;
    • preparar amostra conforme normas;
    • executar a calibração do equipamento para ensaio;
    • executar a análise;
    • realizar manutenção e reparo nos equipamentos;
    • manter a organização, limpeza e higiene no local de trabalho;
    • interpretar normas técnicas de ensaios e especificações;
    • interpretar o resultado;
    • atuar na prevenção de acidentes;
    • controlar a qualidade de produtos em processos;
    • aplicar normas e critérios de aceitação de calibração;
    • verificar a metodologia de ensaio;
    • manusear os materiais de análise, aplicando normas de segurança;
    • monitorar qualidade dos fornecedores;
    • otimizar custos do laboratório;
    • definir metodologia de análise;
    • minimizar impactos ambientais indesejáveis;
    • coletar as características exigidas dos novos produtos;
    • solicitar manutenção e reparo nos equipamentos;
    • participar na avaliação de novos fornecedores;
    • ler manuais técnicos em idioma estrangeiro;
    • organizar a produção em escala e lote-piloto;
    • elaborar procedimentos e instruções de trabalho;
    • atuar no processo de melhoria contínua;
    • atuar como facilitador e multiplicador;
    • atualizar normas de procedimentos internos de análise, ensaio, processos e produtos;
    • selecionar substâncias reagentes;
    • otimizar métodos de tratamentos de resíduos industriais;
    • trabalhar em equipe;
    • pesquisar normas e métodos atuais de análise;


    Setores que mais contratam Auxiliar de laboratorista de solo no mercado de trabalho

    • Serviços de engenharia
    • Construção de rodovias e ferrovias
    • Testes e análises técnicas
    • Construção de edifícios
    • Outras obras de engenharia civil
    • Obras de terraplenagem
    • Laboratórios clínicos
    • Atividades de estudos geológicos
    • Construção de obras-de-arte especiais
    • Atividades de atendimento em pronto-socorro e unidades hospitalares para atendimento a urgências




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: