Salário para o cargo de Árbitro central (futebol)
Árbitros desportivos > CBO 3772-20

Árbitro central (futebol) - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Zelam pela observância do regulamento nas competições esportivas, controlando o andamento das mesmas, registrando as infrações, aplicando as penalidades e fazendo as marcações necessárias para assegurar o processamento desses eventos dentro das normas estabelecidas pelos órgãos desportivos.

Quanto ganha um Árbitro central (futebol)

Um Árbitro central (futebol) trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.873,55 e R$ 18.120,03, com a média salarial de R$ 5.994,70 e o salário mediana em R$ 4.000,00 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Árbitro central (futebol)

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 5.994,70 71.936,37 1.498,67 29,06
1º Quartil 1.873,55 22.482,64 468,39 9,08
Salário Mediana 4.000,00 48.000,00 1.000,00 19,39
3º Quartil 13.819,11 165.829,31 3.454,78 66,99
Teto Salarial 18.120,03 217.440,37 4.530,01 87,85


Categorias profissionais do cargo

  • Técnicos de nível médio
    • Técnicos em nivel médio dos serviços culturais, das comunicações e dos desportos
      • Atletas, desportistas
        • Árbitros desportivos

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Rio de Janeiro - RJ 2.262 - 12.246 5.207,76 2.261,95 4.025,00 10.110,07 12.245,61
Cuiabá - MT 1.600 - 18.168 9.600,00 1.600,00 12.000,00 15.000,00 18.168,45
Belo Horizonte - MG 1.815 - 44.816 12.802,50 1.815,00 10.000,00 37.000,00 44.815,51
Curitiba - PR 2.000 - 9.690 4.766,20 2.000,00 3.500,00 8.000,00 9.689,84


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo 1.568 - 11.103 4.601,05 1.567,90 3.500,00 9.166,67 11.102,94
Rio de Janeiro 2.834 - 10.182 4.930,18 2.833,90 4.025,00 8.406,71 10.182,46
Minas Gerais 1.257 - 31.492 9.916,00 1.256,51 4.000,00 26.000,00 31.491,98
Mato Grosso 1.600 - 18.168 9.600,00 1.600,00 12.000,00 15.000,00 18.168,45
Paraná 2.000 - 9.690 4.766,20 2.000,00 3.500,00 8.000,00 9.689,84


Principais locais de trabalho

Árbitros desportivos os profissionais trabalham nas diversas modalidades esportivas, atuando em competições, torneios, jogos e eventos oficiais, em entidades esportivas, recreativas ou associativas, no ensino etc. A grande maioria dos profissionais é autônoma e podem acumular a função de árbitro esportivo com outra ocupação na área, como atleta, professor, microempresário do esporte etc. Seu trabalho costuma se dar em datas e horários irregulares, seguindo calendário de eventos do esporte a que se vinculam. Em algumas atividades, alguns profissionais podem trabalhar em condições climáticas adversas, em posições desconfortáveis por longos períodos, sob pressão psicológica.


O que é preciso para trabalhar na área dos Árbitros desportivos

As ocupações da família requerem diferentes níveis de escolaridade formal mínima, como o ensino fundamental e o ensino médio. A formação profissional pode se dar por meio de cursos de qualificação básicos, com cerca de duzentas horas de duração. A experiência profissional prévia desejável dos titulares varia entre mais de um e cinco anos, conforme a ocupação. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Árbitro central (futebol)

Árbitros desportivos devem:

  • demonstrar competências pessoais;
  • atender as solicitações da sua entidade;
  • comunicar-se;
  • aplicar regras e regulamentos;
  • participar de atividades de conhecimento e atualização de regras de arbitragem;
  • manter condicionamento físico e psicológico;
  • complementar a arbitragem;
  • examinar a infra- estrutura geral do evento;
  • administrar a competição esportiva;
  • observar postura condizente com atividade de Árbitro desportivo;

  • Atividades

    • demonstrar capacidade de trabalhar em equipe;
    • registrar as substituições;
    • estabelecer comunicação com a equipe médica;
    • estabelecer comunicação com a equipe de apoio;
    • punir os atletas através de sinais e verbalização;
    • respeitar a atuação dos componentes da equipe de arbitragem;
    • averiguar as condições de policiamento;
    • evidenciar a sua capacitação física e mental durante a competição;
    • comparecer uniformizado aos locais de competição;
    • preencher a súmula da competição;
    • operar o placar eletrônico ou manual;
    • advertir verbalmente os atletas sobre possíveis punições;
    • cadastrar-se na sua entidade;
    • autorizar a participação dos atletas;
    • controlar a substituição de atletas;
    • conscientizar- se das responsabilidades;
    • comunicar os técnicos e capitães sobre o andamento da competição;
    • realizar provas teóricas e práticas de habilitação de arbitragem;
    • demonstrar autocontrole emocional;
    • informar a impossibilidade de atender à escala;
    • demonstrar experiências acumuladas como competidor na modalidade;
    • manter a sua capacitação física e mental após a competição;
    • informar a disponibilidade;
    • assistir a atuação de outros árbitros para aperfeiçoamento;
    • interpretar regras e regulamentos;
    • praticar a modalidade;
    • solicitar a retirada das pessoas não autorizadas na área de competição;
    • atuar em condições climáticas adversas;
    • executar gestos/ sinais técnicos;
    • desenvolver visão periférica;
    • demonstrar capacidade de concentração;
    • solicitar o impedimento do acesso de pessoas não autorizadas à área de competição;
    • apresentar atestado médico para a capacitação no exercício da sua atividade (ad);
    • estudar regras e regulamentos vigentes;
    • solicitar a regularização dos equipamentos;
    • informar verbalmente o tempo final da competição;
    • demonstrar autoridade;
    • autorizar a presença do grupo de apoio;
    • registrar as penalidades;
    • registrar os atletas participantes da competição;
    • relatar as irregularidades nas instalações/ equipamentos;
    • pontuar verbalmente os atletas sobre possíveis técnicas válidas;
    • padronizar a aplicação das regras para a competição;
    • fazer registro de atendimentos médicos;
    • controlar a cronometragem;
    • preservar a disciplina durante a competição;
    • respeitar os atletas;
    • retirar escala periódica;
    • demonstrar objetividade;
    • averiguar as condições dos equipamentos da competição;
    • demonstrar capacidade de autocrítica;
    • demonstrar idoneidade;
    • aprovar o local da competição;
    • confirmar participação em eventos/ competição;
    • registrar as ocorrências não previstas durante a competição;
    • reconhecer a presença do grupo de apoio;
    • demonstrar conhecimento sobre os fundamentos da modalidade;
    • respeitar os participantes do evento;
    • participar de reuniões técnicas;
    • reconhecer as funções dos componentes da equipe de arbitragem;
    • fiscalizar os procedimento técnicos de cada modalidade;
    • tomar decisões durante a competição;
    • preservar a consistência no transcorrer da competição;
    • averiguar as condições dos equipamentos de segurança;
    • identificar o capitão da equipe;
    • averiguar as instalações;
    • julgar as ações dos competidores;
    • demonstrar personalidade;
    • reprovar o local da competição;
    • evidenciar periodicamente a sua capacitação física e mental antes da competição;
    • reciclar-se;
    • participar de cursos para promoção de categoria;
    • examinar o local de competição;
    • conduzir-se com imparcialidade durante a competição;
    • estabelecer comunicação com a equipe de segurança;
    • decidir os casos não especificados nas regras/regulamentos;
    • conferir a documentação dos atletas e da comissão técnica;
    • comportar-se de forma ética quando atuante ou não nos eventos esportivos;
    • evitar a sua atuação em competições que envolvam clubes/ atletas com os quais mantenha vínculos;
    • utilizar equipamentos sonoros;
    • participar de cursos de arbitragem;
    • dominar regras e regulamentos em vigência;
    • planificar a forma de atuação da equipe de arbitragem;
    • preparar-se física e psicologicamente para atuar na temporada;
    • atuar em eventos de longa jornada;
    • atender as convocações de suas entidades;
    • demonstrar respeito pela hierarquia;
    • informar visualmente o período de acréscimo da competição;
    • delimitar a área de atuação da imprensa;
    • demonstrar bom senso;
    • enviar relatórios às suas entidades;
    • usar as plenas condições físicas e mentais no exercício da atividade;
    • participar de estágios;
    • utilizar equipamentos visuais;
    • comparecer pontualmente aos locais de competição;
    • orientar o procedimento de atuação do grupo de apoio;
    • agir sempre que a interferência externa afete o bom andamento da competição;
    • requerer dispensa de escala;
    • registrar a pontuação;
    • averiguar a presença de assistência médica;
    • fazer a chamada ou apresentação dos competidores;
    • prevenir a integridade física dos atletas;
    • excluir no transcorrer da competição componentes do grupo de apoio;

    Setores que mais contratam Árbitro central (futebol) no mercado de trabalho

    • Clubes sociais, esportivos e similares
    • Produção e promoção de eventos esportivos
    • Agenciamento de profissionais para atividades esportivas, culturais e artísticas
    • Comércio atacadista de mercadorias em geral, sem predominância de alimentos ou de insumos agropecuários
    • Outras atividades esportivas
    • Comércio varejista de artigos de óptica
    • Atividades de condicionamento físico
    • Outras atividades profissionais, científicas e técnicas
    • Serviços de assistência social sem alojamento




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque:

    Salário para o cargo de Arte educador
    Trabalhadores de atenção, defesa e proteção a pessoas em situação de risco e adolescentes em conflito com a lei

    Arte educador