Salário para o cargo de Trabalhador na sericicultura
CBO 6234-20 > Trabalhadores na criação de insetos e animais úteis

Trabalhador na sericicultura - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Manejam animais e insetos, tais como abelha, bicho-da-seda, minhoca e animais produtores de veneno, extraem produtos de animais e insetos, providenciam alimentação para animais e insetos, classificam animais, insetos e seus produtos. Controlam pragas e doenças e preparam instalações e materiais de trabalho.

Quanto ganha um Trabalhador na sericicultura

Um Trabalhador na sericicultura trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.220,36 e R$ 1.834,57, com a média salarial de R$ 1.285,77 e o salário mediana em R$ 1.254,00 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Trabalhador na sericicultura

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 1.285,77 15.429,23 321,44 5,84
1º Quartil 1.220,36 14.644,31 305,09 5,55
Salário Mediana 1.254,00 15.048,00 313,50 5,70
3º Quartil 1.399,12 16.789,48 349,78 6,36
Teto Salarial 1.834,57 22.014,87 458,64 8,34


Categorias profissionais do cargo

  • Trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca
    • Trabalhadores na exploração agropecuária
      • Trabalhadores na pecuária
        • Trabalhadores na criação de insetos e animais úteis

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Bastos - SP 1.154 - 1.540 1.233,95 1.153,58 1.249,60 1.271,47 1.540,04
Gabriel Monteiro - SP 1.248 - 1.519 1.252,50 1.248,00 1.254,00 1.254,00 1.518,88
Piracicaba - SP 1.225 - 1.894 1.324,02 1.225,00 1.225,00 1.564,00 1.894,36
Cianorte - PR 1.257 - 1.857 1.322,81 1.256,75 1.265,00 1.533,40 1.857,30
Nova Esperança - PR 1.217 - 1.752 1.279,70 1.216,60 1.235,28 1.446,34 1.751,85
Umuarama - PR 1.170 - 1.599 1.282,60 1.170,40 1.320,00 1.320,00 1.598,82


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo 1.189 - 1.631 1.259,22 1.188,83 1.254,00 1.346,24 1.630,60
Paraná 1.212 - 2.048 1.363,12 1.211,77 1.265,00 1.691,17 2.048,40


Principais locais de trabalho

Trabalhadores na criação de insetos e animais úteis rabalham em associações, cooperativas e propriedades rurais que desenvolvem apicultura, minhocultura, sericultura e criatórios de animais venenosos. São assalariados ou porcenteiros, que trabalham sob supervisão. A maioria dos trabalhadores em serpentário é encontrada em instituições públicas, criadoras de animais, com o objetivo principal de extrair veneno para produção de soros. Podem trabalhar em locais abertos ou fechados, nos horários diurnos e, às vezes, irregulares. Algumas atividades são exercidas em alturas e em posições desconfortáveis, com exposição a material tóxico, fumaça e contato com animais e insetos perigosos.


O que é preciso para trabalhar na área dos Trabalhadores na criação de insetos e animais úteis

O exercício profissional requer, no mínimo, quarta série do ensino fundamental e curso profissionalizante de aproximadamente duzentas horas-aula. Os que atuam em parceria geralmente têm escolaridade e qualificação elevada. O pleno desempenho das atividades ocorre após um ou dois anos de experiência. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Trabalhador na sericicultura

Trabalhadores na criação de insetos e animais úteis devem:

  • extrair produtos de animais e insetos Úteis;
  • providenciar alimentação para animais e insetos Úteis;
  • controlar pragas e doenças;
  • preparar materiais de trabalho;
  • demonstrar competências pessoais;
  • preparar instalações;
  • classificar animais e insetos Úteis e seus produtos;
  • manejar animais e insetos Úteis;

  • Atividades

    • definir tipo de inseto para alimentação de escorpiões e aranhas;
    • substituir materiais danificados;
    • extrair veneno de aranhas, escorpiões e abelhas por indução elétrica;
    • controlar ventilação de criatório;
    • congelar veneno após extração;
    • desinfetar caixas de criação de bebedouros;
    • anestesiar animais produtores de veneno;
    • verificar produção de mel;
    • separar serpentes segundo procedência;
    • separar serpentes segundo idade;
    • queimar resíduos do ciclo anterior;
    • classificar húmus segundo quantidade de ovos e filhotes presentes;
    • coletar amostra de solo para análise;
    • preparar transporte de ramas de amoreiras;
    • eliminar predadores e ectoparasitas;
    • secar veneno de serpentes, aranhas e escorpiões;
    • identificar doenças;
    • instalar estantes para caixas de animais produtores de veneno;
    • classificar animais em gênero e espécie;
    • desopercular favos;
    • controlar umidade de criatório;
    • separar anafalha;
    • desinfetar bosque e barracão do bicho-da-seda;
    • realizar pequenos reparos em instalações e equipamentos;
    • fixar cera alveolada nos caixilhos;
    • adubar amoreiras;
    • coletar geleia real;
    • substituir rainha;
    • retirar impurezas do própolis, cera, húmus e venenos;
    • coar mel;
    • identificar abelhas com ferrão e sem ferrão;
    • controlar temperatura de criatório;
    • instalar colmeias;
    • repor substâncias no pé-de-lúvio;
    • revirar esterco durante processo de compostagem;
    • forrar bebedouros de escorpiões e aranhas com espuma;
    • controlar produção de matéria orgânica;
    • unir enxames de família fracas;
    • injetar fumaça nas colmeias;
    • separar veneno segundo teor de toxina;
    • armazenar ramas de amoreiras;
    • verificar postura;
    • selecionar utensílios (formão, pinça etc.);
    • capinar plantação de amoreiras;
    • monitorar encasulamento;
    • escolher local para criação;
    • desinfetar utensílios e vestimentas de trabalho;
    • acondicionar produtos;
    • separar serpentes segundo sexo;
    • preparar transporte de animais produtores de veneno;
    • elaborar cronograma de extração de veneno;
    • classificar mel segundo tipo de abelha e florada;
    • definir roedor para alimentação de serpentes e aranhas;
    • retirar restos de alimentação;
    • aplicar cal nas camas de criação do bicho-da-seda;
    • controlar espaço para aumento de população de abelhas e minhocas;
    • desmontar bosques;
    • induzir produção de rainha;
    • remover animais para recipientes limpos (caixas, vidros etc.);
    • distribuir animais para sala de criação;
    • separar veneno segundo gênero e espécie;
    • peneirar húmus;
    • preparar vestimentas de trabalho;
    • acasalar serpentes;
    • empregar medidas de segurança individual;
    • limpar local de instalação da criação;
    • pelar casulos;
    • retirar excesso de umidade do húmus;
    • classificar minhocas segundo tamanho;
    • verificar presença de traças e parasitas (internos e externos);
    • desidratar pólen;
    • cortar ramas de amoreiras;
    • centrifugar mel e venenos;
    • construir canteiros para minhocultura;
    • reagir frente ao perigo;
    • capinar ao redor de canteiros de minhocas;
    • controlar alimentação de animais e insetos úteis;
    • distribuir lagartas nas camas de criação;
    • separar serpentes segundo peso;
    • coletar pólen do caça-pólen;
    • plantar amoreiras;
    • localizar focos de predadores;
    • classificar húmus segundo teor de matéria orgânica;
    • desinfetar salas de animais produtores de veneno;
    • montar bosques;
    • dar provas de destreza manual;
    • corrigir solo para cultivo das amoreiras;
    • selecionar material de combustão;
    • montar estaleiro para peneirar húmus;
    • cobrir canteiros com matéria morta;
    • forrar bebedouros de aranhas com algodão;
    • desinfetar canteiros de minhocas;
    • concentrar-se;
    • massagear glândulas superiores (serpentes);
    • classificar própolis segundo cor e tamanho;
    • distribuir composto e minhocas em canteiros;
    • selecionar esterco para compostagem;
    • posicionar bosques para encasulamento;
    • retirar casulos das cartelas ou bosques de plástico;
    • elaborar alimento artificial para animais e insetos úteis;
    • conferir maturação do mel, crisálida e húmus;
    • construir ensacador para húmus;
    • agir com prudência;
    • arar solo para cultivo das amoreiras;
    • separar animais peçonhentos e não peçonhentos;
    • classificar casulos segundo qualidade;
    • descartar lagartas mortas e não encasuladas;
    • decantar mel;
    • trabalhar em equipe;
    • medicar animais e insetos úteis;
    • amolar instrumentos de trabalho (enxada, foice para cortar amoreira etc.);
    • substituir cera velha;
    • identificar estágio de desenvolvimento das lagartas;
    • raspar própolis das caixas e favos;
    • podar amoreiras;
    • derreter cera;
    • lubrificar equipamentos;
    • limpar caixilhos e aramados;
    • recepcionar animais e insetos úteis;
    • forrar fundo das caixas de criação;
    • extrair cera;
    • controlar quantidade de zangões;
    • instalar bebedouros para abelhas;
    • umedecer esterco;


    Setores que mais contratam Trabalhador na sericicultura no mercado de trabalho

    • Atividades de apoio à pecuária
    • Criação de outros animais não especificados anteriormente
    • Preparação e fiação de fibras têxteis naturais, exceto algodão
    • Cultivo de seringueira
    • Comércio atacadista de matérias-primas agrícolas




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: