Salário para o cargo de Inspetor de presídio
CBO 5173-15 > Vigilantes e guardas de segurança

Inspetor de presídio - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Vigiam dependências e áreas públicas e privadas com a finalidade de prevenir, controlar e combater delitos como porte ilícito de armas e munições e outras irregularidades, zelam pela segurança das pessoas, do patrimônio e pelo cumprimento das leis e regulamentos, recepcionam e controlam a movimentação de pessoas em áreas de acesso livre e restrito, fiscalizam pessoas, cargas e patrimônio, escoltam pessoas e mercadorias. Controlam objetos e cargas, vigiam parques e reservas florestais, combatendo inclusive focos de incêndio, vigiam presos. Comunicam-se via rádio ou telefone e prestam informações ao público e aos órgãos competentes.

Quanto ganha um Inspetor de presídio

Um Inspetor de presídio trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.520,87 e R$ 2.917,43, com a média salarial de R$ 1.822,82 e o salário mediana em R$ 1.805,45 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Inspetor de presídio

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 1.822,82 21.873,84 455,70 8,47
1º Quartil 1.520,87 18.250,44 380,22 7,07
Salário Mediana 1.805,45 21.665,40 451,36 8,39
3º Quartil 2.224,96 26.699,46 556,24 10,34
Teto Salarial 2.917,43 35.009,13 729,36 13,56


Categorias profissionais do cargo

  • Trabalhadores dos serviços, vendedores do comércio em lojas e mercados
    • Trabalhadores dos serviços
      • Trabalhadores nos serviços de proteção e segurança
        • Vigilantes e guardas de segurança

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Florianópolis - SC 1.537 - 1.990 1.563,70 1.537,39 1.537,39 1.642,65 1.989,63
Curitiba - PR 1.904 - 2.439 1.946,32 1.903,82 1.933,99 2.013,64 2.438,98
São Paulo - SP 1.745 - 2.929 1.943,46 1.744,59 1.805,45 2.418,33 2.929,15
Rio de Janeiro - RJ 1.686 - 2.110 1.723,11 1.686,33 1.741,04 1.741,97 2.109,93
Frutal - MG 2.178 - 2.820 2.300,86 2.177,50 2.328,00 2.328,50 2.820,35
Pato Branco - PR 2.312 - 3.081 2.477,41 2.312,25 2.543,48 2.543,48 3.080,74
Imperatriz - MA 1.586 - 3.396 1.841,51 1.585,59 1.585,59 2.803,99 3.396,28
Pouso Alegre - MG 1.181 - 2.820 1.424,84 1.181,21 1.216,65 2.328,50 2.820,35


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Santa Catarina 1.537 - 1.990 1.563,70 1.537,39 1.537,39 1.642,65 1.989,63
Paraná 1.905 - 2.498 1.958,71 1.904,63 1.933,99 2.062,23 2.497,84
São Paulo 1.741 - 2.931 1.941,69 1.740,59 1.805,45 2.419,58 2.930,66
Minas Gerais 1.323 - 3.945 2.295,88 1.323,25 2.328,50 3.256,92 3.944,88
Rio de Janeiro 1.686 - 2.110 1.723,11 1.686,33 1.741,04 1.741,97 2.109,93
Maranhão 1.586 - 3.396 1.841,51 1.585,59 1.585,59 2.803,99 3.396,28


Principais locais de trabalho

Vigilantes e guardas de segurança são, em geral, assalariados, com carteira assinada, que atuam em estabelecimentos diversos de defesa e segurança e de transporte terrestre, aéreo ou aqüaviário. Podem trabalhar em equipe ou individualmente, com supervisão permanente, em horários diurnos, noturnos, em rodízio de turnos ou escala. Trabalham em grandes alturas, confinados ou em locais subterrâneos. Estão sujeitos a risco de morte e trabalham sob pressão constante, expostos a ruídos, radiação, material tóxico, poeira, fumaça e baixas temperaturas.


O que é preciso para trabalhar na área dos Vigilantes e guardas de segurança

O exercício das ocupações requer ensino médio completo, exceto agente de proteção de aeroporto e vigilante que têm como requisito o ensino fundamental. Todas as ocupações requerem formação profissionalizante básica de duzentas a quatrocentas horas. Os vigilantes passam por treinamento obrigatório em escolas especializadas em segurança, onde aprendem a utilizar armas de fogo. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Inspetor de presídio

Vigilantes e guardas de segurança devem:

  • controlar objetos, cargas e veículos;
  • fiscalizar pessoas, cargas e patrimônio;
  • demonstrar competências pessoais;
  • vigiar parques e reservas florestais;
  • recepcionar pessoas;
  • monitorar os presos;
  • zelar pela segurança das pessoas e do patrimônio;
  • escoltar pessoas e mercadorias;
  • comunicar-se;

  • Atividades

    • revistar pessoas;
    • trabalhar em equipe;
    • verificar documentação do condutor da carga;
    • apreender objetos ilícitos e irregulares;
    • providenciar socorros médicos;
    • identificar pessoas;
    • definir a escolta a ser utilizada;
    • desligar sistemas de iluminação e equipamentos;
    • informar-se sobre o número de pessoas a serem escoltadas;
    • socorrer a fauna;
    • acompanhar o visitante;
    • fotografar ocorrências;
    • analisar correspondência dos presos;
    • demonstrar iniciativa;
    • adaptar percurso;
    • informar visitantes sobre normas de segurança;
    • demonstrar capacidade de contornar situações adversas;
    • desviar de obstáculos e obstruções no trajeto;
    • controlar a movimentação interna das pessoas;
    • rondar as dependências do local de trabalho;
    • preencher relatórios de ocorrências (bo);
    • reprimir a pesca predatória e a caça;
    • negociar com os presos em rebelião;
    • demonstrar proatividade;
    • vistoriar bagagens utilizando equipamento de raio x;
    • informar aos presos os direitos e deveres e as normas;
    • comunicar-se através de gestos e sinais;
    • trocar lâmpadas;
    • cumprir ordens judiciais;
    • identificar objetos achados e perdidos para devolução;
    • solicitar remoção de cargas em locais inadequados;
    • prevenir incêndios;
    • informar ao preso sobre sua situação processual;
    • catalogar a fauna e seus hábitos;
    • inteirar-se sobre a natureza da mercadoria a ser transportada;
    • encaminhar pessoas;
    • participar da elaboração do plano de segurança pública portuária;
    • conferir a mercadoria e carga;
    • realizar varreduras;
    • comunicar à chefia suspeitas de fugas ou rebelião;
    • afiar foices e enxadas;
    • prestar informações ao público;
    • organizar as atividades de lazer, trabalho e religião;
    • abrir a cela acompanhado de outro agente;
    • movimentar-se em silêncio pela floresta para flagrar os infratores;
    • revistar veículos;
    • acompanhar a entrega da carga dentro do local de trabalho;
    • comunicar-se com a base durante a escolta;
    • revistar mercadorias, cargas e bagagens;
    • impedir a entrada de pessoas;
    • combater incêndios;
    • prestar primeiros socorros;
    • sinalizar vias de circulação interna do porto organizado;
    • investigar na floresta os vestígios da ação de infratores;
    • demonstrar atenção;
    • demonstrar autocontrole;
    • comunicar ocorrências de cargas irregulares;
    • abordar pessoas;
    • comunicar ocorrências navais e contra o meio-ambiente;
    • patrulhar áreas marítimas (fundeio, bacia de evolução, área de manobra e atracação);
    • exigir que as pessoas não fumem em locais proibidos;
    • vigiar os presos em todas as atividades no presídio;
    • efetuar a chamada dos presos;
    • analisar o comportamento de pessoas;
    • embargar área em situação irregular;
    • monitorar áreas por equipamentos eletrônicos;
    • inspecionar o estado de placas de sinalização;
    • consultar a pessoa a ser visitada;
    • ajustar escala de trabalho;
    • avaliar condições da área de destino;
    • limpar o acesso às fontes de água;
    • revistar recintos;
    • colher sementes de árvores nativas;
    • percorrer o trajeto preestabelecido;
    • auxiliar idosos, deficientes físicos e demais pessoas necessitadas;
    • entrevistar tripulação;
    • relatar ocorrências;
    • orientar o trânsito na área do porto organizado;
    • participar de combates a fugas e rebeliões;
    • desenergizar linha do metrô para proteção do usuário;
    • estacionar o veículo atentando para rotas de fuga;
    • verificar a documentação da carga;
    • conduzir infratores à delegacia;
    • credenciar empresas, veículos e pessoas;
    • solicitar reparos;
    • fiscalizar o trânsito na área do porto organizado;
    • apartar brigas;
    • recepcionar autoridades;
    • observar focos de incêndio do alto da torre de observação;
    • recolher os presos até as celas;
    • resgatar pessoas acidentadas na via;
    • posicionar o veículo de forma a proteger o escoltado;
    • ligar sistemas de iluminação e equipamentos;
    • controlar o acesso de pessoas em áreas restritas;
    • controlar o acesso de veículos;
    • traçar o itinerário a ser percorrido e rotas alternativas;
    • ligar cabine de força;
    • requisitar transporte;
    • solicitar a presença de autoridade competente;
    • interagir com órgão oficiais;
    • verificar o uso do epi;
    • localizar o foco de incêndio utilizando visada de azimute;
    • entrevistar passageiros;
    • inspecionar a integridade das cargas;
    • apreender redes, facões, armas, armadilhas, gaiolas e outros;

    Setores que mais contratam Inspetor de presídio no mercado de trabalho

    • Justiça
    • Limpeza em prédios e em domicílios
    • Atividades de associações de defesa de direitos sociais
    • Atividades de vigilância e segurança privada
    • Serviços combinados para apoio a edifícios, exceto condomínios prediais
    • Serviços de assistência social sem alojamento
    • Fabricação de farinha de mandioca e derivados
    • Albergues assistenciais
    • Construção de edifícios
    • Locação de mão-de-obra temporária




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: