Salário para o cargo de Debruador de calçados
CBO 7641-15 > Trabalhadores da preparação da confecção de calçados

Debruador de calçados - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Organizam o corte de peças para a confecção de calçados, cortam as peças. Preparam peças da parte superior do calçado. Confeccionam solas para calçados e preparam palmilhas e saltos para a confecção de calçados. Realizam inspeções nos componentes dos calçados. Trabalham em conformidade a normas e procedimentos técnicos, de qualidade, segurança, meio ambiente e saúde.

Quanto ganha um Debruador de calçados

Um Debruador de calçados trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.117,95 e R$ 1.980,91, com a média salarial de R$ 1.274,84 e o salário mediana em R$ 1.234,20 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Debruador de calçados

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 1.274,84 15.298,07 318,71 5,81
1º Quartil 1.117,95 13.415,41 279,49 5,09
Salário Mediana 1.234,20 14.810,40 308,55 5,62
3º Quartil 1.510,73 18.128,74 377,68 6,88
Teto Salarial 1.980,91 23.770,94 495,23 9,02


Categorias profissionais do cargo

  • Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais
    • Trabalhadores nas indústrias têxtil, do curtimento, do vestúario e das artes gráficas
      • Trabalhadores da confecção de calçados
        • Trabalhadores da preparação da confecção de calçados

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Franca - SP 1.207 - 2.186 1.419,65 1.206,79 1.314,52 1.804,93 2.186,19
Nova Serrana - MG 1.099 - 1.850 1.282,13 1.099,47 1.249,00 1.527,40 1.850,04
Santo Antônio da Patrulha - RS 1.211 - 1.741 1.284,91 1.210,54 1.247,40 1.437,18 1.740,76
Rolante - RS 1.245 - 1.947 1.412,67 1.244,61 1.397,00 1.607,32 1.946,84
Brejo Santo - CE 1.045 - 1.351 1.074,09 1.045,00 1.060,00 1.115,55 1.351,19
Senador Pompeu - CE 1.045 - 1.273 1.046,54 1.045,00 1.045,00 1.051,15 1.273,19
Montes Claros - MG 1.045 - 1.423 1.081,36 1.045,00 1.045,00 1.174,53 1.422,63
Campina Grande - PB 1.045 - 1.331 1.058,39 1.045,00 1.045,00 1.098,58 1.330,63
Três Coroas - RS 1.253 - 1.937 1.382,08 1.252,69 1.331,00 1.599,00 1.936,76
Russas - CE 1.045 - 1.321 1.059,14 1.045,00 1.045,00 1.090,67 1.321,06
Sapiranga - RS 1.227 - 1.851 1.357,84 1.227,39 1.342,00 1.527,90 1.850,64
Birigui - SP 1.108 - 2.022 1.320,50 1.108,04 1.226,00 1.669,12 2.021,69
Dois Irmãos - RS 1.297 - 2.100 1.493,21 1.297,38 1.471,80 1.733,43 2.099,59
Novo Hamburgo - RS 1.262 - 2.037 1.418,99 1.261,67 1.348,60 1.682,13 2.037,45
Bom Despacho - MG 1.054 - 1.399 1.083,57 1.053,64 1.056,00 1.155,23 1.399,25
São João Batista - SC 1.215 - 1.967 1.381,41 1.214,60 1.341,60 1.623,86 1.966,87
Jau - SP 1.163 - 2.252 1.441,96 1.163,28 1.344,46 1.859,28 2.252,01
Teutonia - RS 1.202 - 1.798 1.310,80 1.202,24 1.276,00 1.484,11 1.797,60
Iguatu - CE 1.045 - 1.288 1.049,63 1.045,00 1.045,00 1.063,58 1.288,24
Caraa - RS 1.195 - 1.674 1.255,30 1.194,89 1.216,60 1.382,21 1.674,17


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Rio Grande do Sul 1.176 - 1.877 1.337,51 1.176,08 1.306,80 1.549,28 1.876,53
Minas Gerais 1.051 - 1.806 1.225,98 1.051,46 1.188,00 1.491,29 1.806,29
São Paulo 1.172 - 2.169 1.399,14 1.171,67 1.300,00 1.790,46 2.168,65
Ceará 1.045 - 1.334 1.060,66 1.045,00 1.045,00 1.101,44 1.334,09
Santa Catarina 1.208 - 1.920 1.348,98 1.207,61 1.261,58 1.585,46 1.920,36
Paraíba 1.045 - 1.454 1.083,85 1.045,00 1.045,00 1.200,70 1.454,33
Sergipe 1.045 - 1.277 1.047,35 1.045,00 1.045,00 1.054,45 1.277,18
Mato Grosso do Sul 1.088 - 1.787 1.249,62 1.087,96 1.218,00 1.475,03 1.786,60
Bahia 1.047 - 1.393 1.101,10 1.047,17 1.113,16 1.149,66 1.392,50
Espírito Santo 1.045 - 1.524 1.129,13 1.045,00 1.073,00 1.257,98 1.523,70
Rio de Janeiro 1.390 - 2.119 1.588,56 1.389,56 1.646,00 1.749,15 2.118,62
Goiás 1.046 - 1.913 1.238,11 1.045,81 1.150,00 1.579,61 1.913,28
Paraná 1.261 - 1.920 1.380,29 1.261,24 1.339,19 1.585,31 1.920,18
Pernambuco 1.050 - 1.583 1.136,54 1.050,00 1.097,80 1.307,25 1.583,38
Pará 1.249 - 1.551 1.273,28 1.248,50 1.280,71 1.280,71 1.551,23
Maranhão 1.045 - 1.335 1.090,60 1.045,00 1.102,00 1.102,00 1.334,78


Principais locais de trabalho

Trabalhadores da preparação da confecção de calçados trabalham como assalariados, com registro em carteira, e se organizam de forma individual, em equipe por setor de trabalho e em equipe por esteira, sob supervisão permanente. São absorvidos pelo mercado de trabalho nas indústrias de fabricação de artefatos de couro e artigos de viagem e calçados. Atuam em locais fechados no período diurno, e em rodízio de turnos, nas grandes empresas. Em algumas situações podem estar sujeitos a estresse, a posições desconfortáveis durante longos períodos e expostos a ruídos e materiais tóxicos.


O que é preciso para trabalhar na área dos Trabalhadores da preparação da confecção de calçados

Para o exercício desse cargo, requer-se formação mínima do ensino fundamental (de quarta a sétima série). Geralmente o aprendizado da profissão ocorre no próprio emprego. Os profissionais, em média, atingem o pleno desempenho profissional após um a dois anos de experiência. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Debruador de calçados

Trabalhadores da preparação da confecção de calçados devem:

  • organizar corte de peças para confecção de calçados;
  • preparar saltos para a confecção de calçados;
  • preparar palmilhas para confecção de calçados;
  • confeccionar solas para calçados;
  • demonstrar competências pessoais;
  • realizar inspeções nos componentes dos calçados;
  • cortar peças para a confecção de calçados;
  • preparar peças da parte superior do calçado;

  • Atividades

    • rachar peças (reforço, gravata, calcanheira);
    • analisar plano de corte;
    • carimbar peças (número, marca, e data de fabricação);
    • selecionar navalhas para corte de peças;
    • polir bordas das solas;
    • analisar dados da ordem de produção;
    • colar palmilhas;
    • inspecionar visualmente a matéria-prima;
    • entretelar peças;
    • ajustar máquinas de corte (balancim);
    • colocar contrafortes na parte traseira do calçado;
    • colar saltos;
    • conferir quantidade de peças cortadas;
    • frequenciar peças (material sintético);
    • aplicar cola nas peças;
    • demonstrar confiabilidade;
    • agir com criatividade;
    • carimbar solas (número e marca da empresa);
    • revisar altura e colagem do solado e dos saltos;
    • colar espuma e etiqueta na calcanheira;
    • comparar a matéria-prima com as especificações da ordem de produção;
    • aplicar costura decorativa;
    • separar peças cortadas em caixas conforme ordem de produção;
    • lixar rebarbas dos saltos;
    • colar saltos nas solas;
    • demonstrar auto-organização;
    • atuar com dinamismo;
    • verificar a uniformidade dos cepos;
    • posicionar navalhas na matéria-prima;
    • colar solas;
    • fixar tacos nos saltos;
    • identificar referências de linhas de bordado;
    • inspecionar espessura da matéria-prima;
    • enfestar materiais sintéticos;
    • lubrificar máquinas;
    • aplicar verniz nas bordas das solas;
    • verificar falhas e defeitos de cortes nas peças;
    • serigrafar peças;
    • atuar com responsabilidade;
    • medir a espessura das peças rachadas;
    • buscar autodesenvolvimento;
    • marcar posição do cabedal nas palmilhas;
    • aplicar halógeno (prime) nas solas;
    • bordar peças (gáspea, lateral, cano traseiro, pala);
    • demonstrar comunicabilidade;
    • fixar saltos nas solas com grampos;
    • lixar parte superior das palmilhas;
    • remover rebarbas do forro dos saltos;
    • limpar solas;
    • colar forro nas palmilhas;
    • identificar tipos de materiais (couro e ou sintético);
    • recortar peças frequenciadas (material sintético);
    • costurar etiquetas no forro das palmilhas;
    • chanfrar peças (gáspea, lateral, calcanheira, traseiro, travessas);
    • demonstrar iniciativa;
    • remover peças cortadas nas navalhas;
    • asperar solas;
    • trabalhar em equipe;
    • aplicar antiderrapante nas solas (frisos);
    • chanfrar bordas das solas (arredondar);
    • chanfrar calcanhar das solas;
    • aplicar couraça na gáspea;
    • afiar navalhas;
    • colar etiquetas no forro das palmilhas;
    • revisar aplicação do forro, colagem e costura das palmilhas;
    • carimbar forro das palmilhas;
    • conferir altura, friso e colagem das solas;
    • fixar forro nos saltos;
    • limpar máquinas;


    Setores que mais contratam Debruador de calçados no mercado de trabalho

    • Fabricação de calçados de couro
    • Fabricação de calçados de material sintético
    • Fabricação de calçados de materiais não especificados anteriormente
    • Acabamento de calçados de couro sob contrato
    • Fabricação de tênis de qualquer material
    • Fabricação de partes para calçados, de qualquer material
    • Fabricação de artigos para viagem, bolsas e semelhantes de qualquer material
    • Fabricação de artefatos de couro não especificados anteriormente
    • Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas e as confeccionadas sob medida
    • Comércio varejista de calçados




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: