Salário para o cargo de Torneiro na usinagem convencional de madeira
CBO 7733-55 > Operadores de usinagem convencional de madeira

Torneiro na usinagem convencional de madeira - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Planejam atividades e organizam ambiente de trabalho para usinagem de madeira com máquinas convencionais. Preparam máquinas de usinagem e de beneficiamento de madeira e realizam reparos e ajustes mecânicos e elétricos nas máquinas. Regulam e operam máquinas utilizadas nos diversos tipos de usinagem de madeira em um torno, empregando ferramentas manuais. Trabalham seguindo normas e procedimentos técnicos, de qualidade, segurança, meio ambiente e saúde.

Quanto ganha um Torneiro na usinagem convencional de madeira

Um Torneiro na usinagem convencional de madeira trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.343,18 e R$ 4.533,11, com a média salarial de R$ 2.241,29 e o salário mediana em R$ 2.025,35 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Torneiro na usinagem convencional de madeira

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 2.241,29 26.895,44 560,32 10,25
1º Quartil 1.343,18 16.118,21 335,80 6,14
Salário Mediana 2.025,35 24.304,20 506,34 9,26
3º Quartil 3.457,15 41.485,74 864,29 15,80
Teto Salarial 4.533,11 54.397,35 1.133,28 20,72


Categorias profissionais do cargo

  • Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais
    • Trabalhadores das indústrias de madeira e do mobiliário
      • Trabalhadores da transformação da madeira e da fabricação do mobiliário
        • Operadores de usinagem convencional de madeira

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo - SP 1.643 - 4.448 2.469,47 1.643,26 2.220,13 3.672,10 4.447,76
Campinas - SP 2.233 - 5.399 3.278,52 2.232,89 3.190,00 4.457,37 5.398,90
Contagem - MG 1.391 - 3.964 2.463,59 1.391,45 2.500,00 3.272,89 3.964,22
Curitiba - PR 1.366 - 3.399 1.952,68 1.366,00 1.757,00 2.806,64 3.399,49
Joinville - SC 2.337 - 4.619 3.073,28 2.336,67 2.944,70 3.813,33 4.618,82
Caucaia - CE 1.650 - 2.665 1.900,00 1.650,00 2.000,00 2.200,00 2.664,71
Goiânia - GO 1.328 - 4.466 2.119,11 1.328,25 1.700,00 3.686,87 4.465,65
Nova Ponte - MG 1.231 - 1.491 1.230,73 1.230,73 1.230,73 1.230,73 1.490,70
Piracicaba - SP 1.541 - 5.063 2.551,09 1.541,10 2.259,40 4.180,00 5.062,94
Manaus - AM 1.250 - 3.149 1.894,48 1.250,10 2.000,00 2.600,00 3.149,20
Fortaleza - CE 1.423 - 3.132 1.868,58 1.423,03 1.800,00 2.585,58 3.131,73
Bento Goncalves - RS 1.450 - 2.053 1.560,05 1.450,00 1.540,52 1.695,00 2.053,03
Campina Grande - PB 1.300 - 2.875 1.762,28 1.300,00 1.625,20 2.373,91 2.875,35
Guarulhos - SP 1.500 - 3.051 2.059,79 1.500,00 2.000,00 2.518,55 3.050,54
Lauro de Freitas - BA 2.692 - 3.477 2.795,17 2.691,63 2.828,10 2.870,52 3.476,86
Palmas - PR 1.667 - 5.329 2.386,12 1.666,60 2.025,35 4.400,00 5.329,41
Rio Claro - SP 1.450 - 2.881 1.834,03 1.450,00 1.800,00 2.378,20 2.880,55
Araraquara - SP 1.689 - 4.845 2.564,78 1.688,70 2.100,00 4.000,00 4.844,92
Recife - PE 1.655 - 2.696 2.020,05 1.655,00 2.100,00 2.225,66 2.695,79
Londrina - PR 1.503 - 3.435 2.082,58 1.503,00 2.046,50 2.835,77 3.434,77


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
São Paulo 1.569 - 4.763 2.540,16 1.568,99 2.305,00 3.932,19 4.762,79
Minas Gerais 1.135 - 4.426 2.232,93 1.134,59 2.200,00 3.654,51 4.426,45
Paraná 1.437 - 3.658 2.118,45 1.436,71 2.000,00 3.020,01 3.657,93
Santa Catarina 1.516 - 4.336 2.512,86 1.515,71 2.533,50 3.579,72 4.335,86
Ceará 1.266 - 3.083 1.861,92 1.266,40 1.800,00 2.545,59 3.083,30
Pernambuco 1.395 - 3.669 2.122,01 1.394,70 2.088,50 3.028,83 3.668,61
Goiás 1.324 - 3.554 1.988,70 1.324,06 1.840,00 2.934,06 3.553,82
Rio Grande do Sul 1.457 - 4.176 2.107,59 1.457,25 1.782,00 3.448,12 4.176,47
Pará 1.367 - 2.538 1.801,27 1.367,17 1.904,00 2.095,49 2.538,12
Paraíba 1.325 - 3.636 1.972,06 1.324,81 1.750,40 3.001,58 3.635,61
Rondônia 1.118 - 2.632 1.478,48 1.118,33 1.459,79 2.173,26 2.632,32
Rio de Janeiro 2.075 - 4.656 2.799,75 2.074,65 2.697,50 3.844,32 4.656,36
Bahia 1.637 - 3.443 2.394,39 1.636,96 2.691,63 2.842,25 3.442,61
Amazonas 1.250 - 3.149 1.894,48 1.250,10 2.000,00 2.600,00 3.149,20
Mato Grosso 1.045 - 2.535 1.561,62 1.045,00 1.412,41 2.092,54 2.534,55
Mato Grosso do Sul 1.045 - 1.938 1.278,00 1.045,00 1.100,00 1.600,00 1.937,97
Distrito Federal 1.155 - 1.575 1.213,25 1.155,00 1.184,00 1.300,00 1.574,60
Piauí 1.086 - 3.156 2.002,17 1.086,00 2.039,39 2.605,75 3.156,16


Principais locais de trabalho

Operadores de usinagem convencional de madeira atuam na fabricação de produtos de madeira e de móveis como assalariados com carteira assinada. Trabalham em equipe, sob supervisão permanente, em ambientes fechados e por rodízio de turnos (diurno/noturno). Podem permanecer em posições desconfortáveis durante longos períodos e expostos a ruído intenso e riscos de acidentes operacionais.


O que é preciso para trabalhar na área dos Operadores de usinagem convencional de madeira

Para o exercício desse cargo requer-se ensino fundamental concluído e treinamento profissional, realizado geralmente no próprio local de trabalho, com ênfase em habilidade numérica. O pleno desempenho das atividades ocorre entre três e quatro anos de experiência profissional. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Torneiro na usinagem convencional de madeira

Operadores de usinagem convencional de madeira devem:

  • operar máquinas de usinagem convencional de madeira;
  • preparar máquinas de usinagem convencional de madeira;
  • planejar as atividades a serem desenvolvidas;
  • realizar pequenos reparos e ajustes mecânicos e elétricos nas máquinas de usinagem convencional;
  • seguir os princípios de qualidade;
  • organizar o ambiente de trabalho;
  • trabalhar com segurança;
  • demonstrar competências pessoais;

  • Atividades

    • reaproveitar a madeira usinada de acordo com as dimensões;
    • orientar a embalagem do produto acabado para transporte e/ou armazenamento;
    • controlar a rotação do torno conforme o diâmetro da tora;
    • regular as máquinas segundo normas da empresa e do fabricante;
    • ajustar a altura da mesa das máquinas;
    • marcar linhas e pontos de referência para orientar a usinagem da madeira;
    • manter lubrificadas as máquinas;
    • identificar as metas de produção estabelecidas pela empresa;
    • interpretar normas e procedimentos de segurança;
    • limpar as máquinas;
    • substituir cabeçotes porta-ferramentas;
    • registrar apontamentos de produção (lote, tempo de serviço e outros);
    • inspecionar as partes mecânicas e elétricas das máquinas;
    • colocar as máquinas em funcionamento;
    • utilizar equipamentos de combate a incêndio;
    • sugerir novas ideias;
    • respeitar os limites de segurança da área em volta das máquinas;
    • substituir fusíveis danificados;
    • limpar o local de trabalho;
    • ajustar a velocidade da máquina de acordo com a profundidade de corte;
    • regular as máquinas conforme as dimensões do produto;
    • aferir as dimensões da madeira usinada;
    • dar provas de criatividade;
    • selecionar os materiais de acordo com a ordem de serviço;
    • verificar as condições de segurança das máquinas;
    • montar conjunto de ferramentas de corte para usinagem de perfis;
    • ajustar cabeçote superior da máquina;
    • controlar o tempo de vida útil dos componentes das máquinas;
    • liberar área em torno de equipamentos de combate a incêndio;
    • conduzir a madeira, manualmente, para a usinagem;
    • identificar máquinas com defeito ou em manutenção;
    • realizar testes de corte da madeira;
    • classificar a madeira usinada de acordo com critérios de qualidade;
    • demonstrar iniciativa;
    • definir as ferramentas e instrumentos de trabalho;
    • trabalhar em equipe;
    • demonstrar habilidades para cálculos;
    • utilizar equipamentos de proteção (individual e coletivo);
    • manter-se atualizado em relação a novas tecnologias;
    • controlar a tensão das ferramentas;
    • identificar a sequência das operações de usinagem;
    • substituir ferramentas de corte com desgaste;
    • interpretar a ordem de serviço e desenho do produto;
    • comunicar-se;
    • evitar acúmulo de resíduos de madeira em peças da máquina em movimento;
    • determinar o local adequado para armazenagem da madeira;
    • prender a madeira com dispositivos de fixação para a usinagem;


    Setores que mais contratam Torneiro na usinagem convencional de madeira no mercado de trabalho

    • Serviços de usinagem, tornearia e solda
    • Fabricação de máquinas-ferramenta, peças e acessórios
    • Fabricação de artefatos diversos de madeira, exceto móveis
    • Fabricação de madeira laminada e de chapas de madeira compensada, prensada e aglomerada
    • Comércio varejista de ferragens e ferramentas
    • Fabricação de móveis com predominância de madeira
    • Fabricação de máquinas e equipamentos para uso industrial específico não especificados anteriormente, peças e acessórios
    • Comércio a varejo de peças e acessórios novos para veículos automotores
    • Fabricação de outros produtos de metal não especificados anteriormente
    • Fabricação de outras máquinas e equipamentos de uso geral não especificados anteriormente, peças e acessórios




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque:

    Salário para o cargo de Educador social
    Trabalhadores de atenção, defesa e proteção a pessoas em situação de risco e adolescentes em conflito com a lei

    Educador social