Salário para o cargo de Ministro do superior tribunal militar
CBO 1113-15 > Magistrados

Ministro do superior tribunal militar - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Decidem conflitos individuais e coletivos em nome do estado, aplicando o direito a casos concretos, para isso, dirigem sessões e audiências judiciais, estabelecem critérios para a promoção da igualdade das partes, avaliam necessidade de provas para um julgamento seguro, decretam condenações ou absolvições em processos criminais, entre outras coisas, conciliam interesses, ouvindo e convocando as partes e propondo alternativas de acordo, efetivam o cumprimento das decisões, homologam situações não conflituosas, gerem atividades administrativas do judiciário, coordenam processo eleitoral, exercem atividades correlatas à função jurisdicional e organizam jurisprudência.

Quanto ganha um Ministro do superior tribunal militar

Um Ministro do superior tribunal militar trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 0,00 e R$ 0,00, com a média salarial de R$ 2.000,00 e o salário mediana em R$ 2.000,00 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Ministro do superior tribunal militar

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 2.000,00 24.000,00 500,00 10,00
1º Quartil 0,00 0,00 0,00 0,00
Salário Mediana 2.000,00 24.000,00 500,00 10,00
3º Quartil 0,00 0,00 0,00 0,00
Teto Salarial 0,00 0,00 0,00 0,00


Categorias profissionais do cargo

  • Membros superiores do poder público, dirigentes de organizações de interesse público e de empresas, gerentes
    • Membros superiores e dirigentes do poder público
      • Membros superiores do poder legislativo, executivo e judiciário
        • Magistrados

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário


Principais locais de trabalho

Magistrados atuam na área da administração pública, defesa e seguridade social. A partir da segunda instância, executam suas funções em equipe, organizados em órgãos colegiados de pares. No caso dos juízes de direito, juízes federais e juízes-auditores federais da justiça militar, trabalham também de forma individual. O cargo de juiz eleitoral é transitório, sendo exercido por juízes convocados de diferentes instâncias. Nas comarcas de menor porte, o juiz local exerce também essa atividade.


O que é preciso para trabalhar na área dos Magistrados

O exercício do cargo de Magistrados ocorre por concurso público aberto a bacharéis em direito. A partir de mais de cinco anos, podem ascender à função de ministro de tribunal por indicação do presidente da república.


Funções e atividades do Ministro do superior tribunal militar

Magistrados devem:

  • gerir atividades administrativas do judiciário;
  • organizar jurisprudência;
  • exercer atividades correlatas À função jurisdicional;
  • promover cumprimento de decisões;
  • conciliar interesses;
  • decidir conflitos em nome do estado;
  • atender ao público;
  • coordenar processo eleitoral;
  • homologar situações não conflituosas;
  • demonstrar competências pessoais;

  • Atividades

    • decidir disputas sobre direitos indígenas;
    • decretar quebra de sigilo bancário, telefônico e fiscal de pessoas físicas e jurídicas;
    • informar interessados sobre o andamento de processos;
    • suspender condicionalmente a pena;
    • expressar-se verbalmente com desenvoltura;
    • ordenar remoção de bens;
    • fiscalizar cartórios extrajudiciais;
    • decidir sobre inelegibilidade e impugnações;
    • interditar casas de internação;
    • promover divulgação de julgados;
    • editar súmulas da jurisprudência;
    • participar da vida comunitária;
    • decidir sobre capacidade civil (tutela, curatela);
    • ouvir partes;
    • avaliar necessidade de provas para um julgamento seguro;
    • convocar as partes para conciliação;
    • demonstrar sensibilidade humana;
    • aplicar medidas socioeducativas;
    • supervisionar o trabalho dos conselhos;
    • presidir processo eleitoral;
    • decidir sobre posse e propriedade;
    • reconhecer opções de nacionalidade;
    • observar prazos processuais;
    • expedir títulos de eleitor;
    • fiscalizar pagamento de precatórios;
    • assegurar dignidade da pessoa humana;
    • administrar quadro funcional;
    • diplomar eleitos;
    • agir com urbanidade;
    • fiscalizar filiações partidárias;
    • administrar patrimônio público sob sua responsabilidade;
    • interditar casas de abrigo;
    • decidir sobre questões de proteção ao meio ambiente;
    • apontar vantagens da conciliação;
    • estabelecer critérios para a promoção da igualdade das partes;
    • determinar apreensão de crianças e adolescentes;
    • agir com coragem ao tomar decisões;
    • proclamar resultados das eleições;
    • decretar concordatas, falências;
    • determinar a indisponibilidade de bens;
    • promover correições ordinárias e extraordinárias;
    • determinar alienação de bens;
    • julgar dissídios individuais e coletivos;
    • administrar escolas de magistratura;
    • expedir resoluções regulamentadoras da eleição;
    • declarar reabilitação criminal;
    • atualizar súmulas;
    • determinar expedição de precatórios;
    • conceder habeas-corpus em caso de prisão ilegal;
    • dar publicidade às decisões;
    • fiscalizar propaganda eleitoral;
    • homologar acordos feitos;
    • receber os interessados;
    • instruir processo;
    • exercer consciência da cidadania;
    • fiscalizar produção de provas;
    • aplicar o direito em conformidade aos princípios constitucionais;
    • propor alternativas de acordos;
    • agir com bom senso;
    • avaliar prova;
    • promover concurso para preenchimento de cargos do serviço judiciário;
    • decidir sobre concessão de benefícios previdenciários;
    • decretar condenações ou absolvições em processos criminais;
    • decretar despejos;
    • organizar secretarias ou cartórios judiciais;
    • interditar estabelecimentos prisionais e cadeias públicas;
    • exigir o bom atendimento ao público dos servidores;
    • executar penas privativas de liberdade;
    • fiscalizar apuração dos votos;
    • fazer cumprir a ordem dos precatórios;
    • agir com consciência política;
    • presidir sessões do júri;
    • organizar conselho da comunidade para a gestão do sistema penitenciário local;
    • inspecionar casas de abrigo;
    • revogar prisões;
    • inspecionar presídios e cadeias públicas;
    • demonstrar paciência;
    • decidir conflitos de convenções partidárias;
    • promover concursos para titulares de serventias extrajudiciais;
    • fiscalizar cartórios judiciais;
    • determinar prisão;
    • recrutar mesários e escrutinadores;
    • organizar tribunal do júri e lista de jurados;
    • tomar providências para a proteção de pessoas ameaçadas;
    • determinar apreensão de bens;
    • aplicar penas de natureza criminal, em especial, as privativas de liberdade;
    • dirigir as sessões e audiências judiciais;
    • homologar acordos coletivos judiciais do trabalho;
    • estabelecer regras entre trabalhadores e empregadores no âmbito coletivo;
    • organizar lista dos eleitores;
    • examinar prestações de contas partidárias;
    • determinar alterações dos registros públicos (nome, propriedade);
    • determinar lacração de estabelecimentos;
    • desenvolver interdisciplinaridade na compreensão dos problemas;
    • alterar situações familiares (adoções, divórcios e separações consensuais);
    • ouvir atentamente (saber ouvir);
    • determinar penhora de bens;
    • agir com isenção;
    • determinar perda de posto e de patente militar;
    • decidir sobre questões relativas a acidentes de trabalho;
    • determinar soltura;
    • homologar inventário de bens;
    • disciplinar publicidade dos partidos;
    • promover controle interno das atividades da magistratura;
    • decidir sobre interesse de menores (guarda de filhos, pátrio poder);
    • inspecionar casas de internação;
    • promover concurso de acesso à magistratura;
    • esclarecer sobre consequências de posições legais;
    • representar poder judiciário perante outros poderes e a sociedade;
    • organizar o conselho tutelar para a aplicação do estatuto da criança e do adolescente;
    • raciocinar logicamente;
    • agir com equilíbrio;
    • compilar jurisprudência;
    • determinar internação de pessoas;
    • orientar público sobre acesso ao judiciário;
    • decidir conflitos relativos à higiene e segurança física do trabalho;
    • determinar produção de provas;
    • demonstrar sabedoria ao usar autoridade;

    Setores que mais contratam Ministro do superior tribunal militar no mercado de trabalho

    • Serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque: