Salário para o cargo de Classificador e empilhador de tijolos e telhas
CBO 8233-05 > Operadores de instalações e equipamentos de fabricação de materiais de construção

Classificador e empilhador de tijolos e telhas - Descrição, atividades, funções e salário do cargo

Preparam moldes, fôrmas e pisos, massas para fabricação de peças de concreto armado, cimento amianto e pedras artificiais. Moldam, realizam acabamento, classificam e acondicionam peças de concreto armado, pedras artificiais, cimento amianto e tijolos refratários. Preparam fornos e realizam a queima de peças de cerâmica vermelha, tijolos, telhas e pisos. Trabalham seguindo normas de segurança, higiene, qualidade e preservação ambiental.

Quanto ganha um Classificador e empilhador de tijolos e telhas

Um Classificador e empilhador de tijolos e telhas trabalhando no Brasil, ganha entre R$ 1.087,47 e R$ 2.162,01, com a média salarial de R$ 1.329,06 e o salário mediana em R$ 1.271,71 de acordo com pesquisa salarial junto ao Novo CAGED, Empregador Web e eSocial.


Faixas salariais do cargo de Classificador e empilhador de tijolos e telhas

Salário Mensal Salário Anual Salário Por Semana Salário Por Hora
Média Salarial 1.329,06 15.948,73 332,27 6,12
1º Quartil 1.087,47 13.049,65 271,87 5,01
Salário Mediana 1.271,71 15.260,52 317,93 5,85
3º Quartil 1.648,84 19.786,05 412,21 7,59
Teto Salarial 2.162,01 25.944,07 540,50 9,95


Categorias profissionais do cargo

  • Trabalhadores da produção de bens e serviços industriais
    • Trabalhadores de instalações siderúrgicas e de materiais de construção
      • Trabalhadores de instalações e equipamentos de material de construção, cerâmica e vidro
        • Operadores de instalações e equipamentos de fabricação de materiais de construção

Cargos relacionados:



Salários nas cidades que mais contratam

Cidade Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Sangao - SC 1.420 - 1.806 1.458,64 1.419,57 1.478,55 1.490,64 1.805,51
Bom Principio - RS 1.268 - 1.673 1.330,79 1.268,16 1.352,37 1.381,10 1.672,83
Rondonópolis - MT 1.103 - 1.397 1.123,95 1.102,69 1.135,77 1.153,15 1.396,73
Criciúma - SC 1.471 - 1.964 1.522,50 1.471,33 1.500,00 1.621,68 1.964,23
Vianópolis - GO 1.104 - 1.499 1.157,73 1.103,68 1.160,08 1.237,54 1.498,94
Rio Claro - SP 1.820 - 2.278 1.863,23 1.820,15 1.880,99 1.880,99 2.278,31
Primavera do Leste - MT 1.164 - 1.464 1.187,48 1.163,85 1.173,39 1.208,59 1.463,88
Sinop - MT 1.285 - 1.874 1.397,00 1.285,10 1.432,19 1.547,18 1.873,99
Itapecuru Mirim - MA 1.085 - 1.337 1.089,06 1.084,60 1.084,60 1.104,13 1.337,36
Itapuã do Oeste - RO 1.153 - 1.425 1.158,74 1.153,36 1.153,36 1.176,43 1.424,93
São Paulo - SP 1.045 - 2.130 1.279,38 1.045,00 1.045,00 1.758,14 2.129,51
Poxoreo - MT 1.130 - 1.531 1.177,45 1.130,44 1.164,36 1.264,12 1.531,14
Aquidauana - MS 1.045 - 1.332 1.064,20 1.045,00 1.045,00 1.100,00 1.332,35
Jaru - RO 1.098 - 1.390 1.119,00 1.098,40 1.098,40 1.147,83 1.390,29
Arujá - SP 1.360 - 2.101 1.449,06 1.359,74 1.359,74 1.734,89 2.101,35
Buritis - RO 1.150 - 1.536 1.174,55 1.149,50 1.149,50 1.268,49 1.536,44
Dormentes - PE 1.200 - 1.526 1.220,67 1.200,00 1.200,00 1.259,95 1.526,09
Marabá - PA 1.080 - 1.308 1.080,00 1.080,00 1.080,00 1.080,00 1.308,13
Teresina - PI 1.185 - 1.631 1.247,14 1.185,00 1.221,00 1.346,90 1.631,40
Limeira - SP 2.105 - 2.753 2.185,33 2.104,85 2.178,00 2.273,15 2.753,31


Remuneração nos estados

Estado Faixa Salarial Média Salarial 1º Quartil Salário Mediana 3º Quartil Maior Salário
Santa Catarina 1.409 - 1.877 1.473,80 1.409,37 1.478,55 1.549,32 1.876,58
Mato Grosso 1.109 - 1.731 1.220,17 1.109,46 1.173,38 1.428,90 1.730,72
São Paulo 1.178 - 2.581 1.696,60 1.177,87 1.844,10 2.131,14 2.581,30
Rio Grande do Sul 1.248 - 1.702 1.326,86 1.247,69 1.312,98 1.405,31 1.702,15
Rondônia 1.113 - 1.508 1.165,30 1.113,01 1.153,36 1.245,31 1.508,36
Goiás 1.091 - 1.473 1.144,59 1.091,01 1.128,00 1.216,29 1.473,21
Maranhão 1.080 - 1.379 1.096,41 1.080,19 1.084,60 1.138,20 1.378,63
Mato Grosso do Sul 1.045 - 1.825 1.170,47 1.045,00 1.100,00 1.506,88 1.825,17
Pará 1.068 - 1.452 1.106,21 1.068,13 1.080,00 1.198,75 1.451,96
Minas Gerais 1.111 - 1.838 1.256,15 1.111,19 1.200,00 1.517,84 1.838,46
Pernambuco 1.100 - 1.712 1.234,73 1.099,71 1.200,00 1.413,57 1.712,16
Piauí 1.045 - 1.600 1.188,76 1.045,00 1.185,00 1.321,26 1.600,35
Tocantins 1.045 - 1.394 1.070,02 1.045,00 1.045,00 1.150,77 1.393,84
Paraíba 1.068 - 1.541 1.174,38 1.068,00 1.221,00 1.272,44 1.541,22
Bahia 1.080 - 1.779 1.202,91 1.079,55 1.123,90 1.469,00 1.779,30


Principais locais de trabalho

Operadores de instalações e equipamentos de fabricação de materiais de construção atuam na fabricação de produtos de minerais não metálicos e de materiais de construção como empregados com carteira assinada. Organizam-se de forma individual ou na forma de trabalho corporativo, sob supervisão permanente, em ambiente fechado no período diurno e em turnos fixos. Podem permanecer em posições desconfortáveis durante longos períodos, realizar atividades em grandes alturas ou em ambiente subterrâneo. No desenvolvimento de algumas atividades podem permanecer expostos a materiais tóxicos, ruído intenso, altas temperaturas, poeira e umidade.


O que é preciso para trabalhar na área dos Operadores de instalações e equipamentos de fabricação de materiais de construção

Para o exercício desse cargo requer-se entre a quarta a oitava séries do ensino fundamental. A qualificação profissional ocorre com a experiência prática no próprio local de trabalho e o pleno desempenho das atividades é alcançado, no máximo, em dois anos de experiência profissional. Os cargos listados nesta família ocupacional, demandam formação profissional para efeitos do cálculo do número de aprendizes a serem contratados pelos estabelecimentos.


Funções e atividades do Classificador e empilhador de tijolos e telhas

Operadores de instalações e equipamentos de fabricação de materiais de construção devem:

  • preparar massas para fabricação de peças de concreto armado, cimento amianto e pedras artificiais;
  • demonstrar competências pessoais;
  • acondicionar peças de concreto armado, pedras artificiais, cimento e amianto e tijolos refratários;
  • preparar moldes, fôrmas e pisos;
  • realizar queima de peças de cerâmica vermelha (tijolos, telhas e pisos);
  • realizar acabamentos em peças de concreto armado, pedras artificiais e cimento amianto;
  • moldar peças de concreto armado, de pedras artificiais e de cimento amianto;
  • classificar peças de concreto armado, pedras artificiais, cimento amianto e de tijolos refratários;
  • preparar fornos para queima de cerâmica vermelha (tijolos, telhas e pisos);

  • Atividades

    • desempenar peças moldadas;
    • aplicar produtos para dar o vitrificado e brilho da peça;
    • selecionar peças por espessura;
    • dosar componentes da massa, conforme receita;
    • controlar número de peças no palete;
    • cortar massa de cimento amianto;
    • lubrificar fôrmas e moldes;
    • demonstrar habilidade manual (coordenação motora);
    • regular chamas dos queimadores;
    • relacionar-se com outras pessoas;
    • evidenciar dinamismo;
    • encher fôrmas e moldes com massa;
    • identificar falhas e trincas;
    • tomar iniciativa;
    • fixar juntas de dilatação;
    • demonstrar assiduidade;
    • esponjar peças;
    • lixar peças;
    • embalar palete com plástico;
    • posicionar instrumentos para controle de temperatura;
    • selecionar peças por formato;
    • montar moldes e fôrmas;
    • controlar dimensões de moldes, fôrmas e pisos;
    • examinar amostras, quanto a cor e brilho;
    • aplicar ceras e resinas;
    • lacrar forno;
    • aplicar pó de cimento e cola em pisos;
    • desenformar peças;
    • desligar queimadores;
    • fixar etiquetas de identificação do produto;
    • reparar peças;
    • adaptar-se a circunstâncias e situações variadas (flexibilidade);
    • agir com responsabilidade;
    • instalar queimadores;
    • misturar componentes da massa, manualmente;
    • organizar moldes e fôrmas;
    • amarrar peças ao palete;
    • acender queimadores a gás combustível e óleo;
    • refugar peças;
    • adensar massa com vibrador, cilindro e disco;
    • medir temperatura dos fornos;
    • inspecionar disposição das peças no forno;
    • limpar fôrmas, moldes e pisos;
    • empilhar peças no palete;
    • misturar componentes da massa, com máquinas e equipamentos;
    • efetuar o resfriamento gradativo de fornos para descarga;
    • comunicar-se;
    • polir peças;
    • esticar massa de cimento amianto;
    • ler e interpretar desenhos e projetos estruturais e arquitetônicos;
    • gravar especificações técnicas nas peças;
    • interpretar tabelas e ordens de serviços;
    • abastecer fornos com combustível;
    • posicionar amostras no forno;
    • modelar peças, manualmente e mecanicamente;
    • alisar peças moldadas e pisos;
    • adaptar-se a situações novas;
    • limpar forno;
    • identificar matéria-prima;
    • selecionar peças por tonalidade;
    • estucar peças;
    • retirar rebarbas;
    • pré-aquecer fornos, aumentando a temperatura gradativamente;
    • posicionar armação de aço em fôrmas e moldes;


    Setores que mais contratam Classificador e empilhador de tijolos e telhas no mercado de trabalho

    • Fabricação de artefatos de cerâmica e barro cozido para uso na construção, exceto azulejos e pisos
    • Fabricação de azulejos e pisos
    • Fabricação de produtos cerâmicos refratários
    • Comércio varejista de cal, areia, pedra britada, tijolos e telhas
    • Comércio varejista de materiais de construção em geral
    • Fabricação de artefatos de cimento para uso na construção
    • Fabricação de estruturas pré-moldadas de concreto armado, em série e sob encomenda
    • Produção de carvão vegetal - florestas nativas
    • Serrarias com desdobramento de madeira
    • Produção de ferro-gusa




    Fonte: Pesquisa Portal Salario.com.br

    Profissões em Destaque:

    Salário para o cargo de Gerente de albergue
    Gerentes de operações de serviços em empresa de turismo, de alojamento e alimentação

    Gerente de albergue